Jograis & Teatro

PEÇA - NATAL DE LUZ

PEÇA - NATAL DE LUZ

NATAL DE LUZ
Adaptação e atualização:
Rev. Valdomiro Pires de Oliveira
CENA - 1
- Primeiro cenário: O profeta aparece e fala com o povo. Começa com o auditório no escuro, um foco de luz no seu rosto que aumenta enquanto vai falando até ficar completamente claro.
- ISAÍAS: Ó povo de Israel onde está a aliança que fizestes com Deus lá no deserto? Esquecestes das tábuas da lei que Moisés quebrou aos seus pés quando vos encontrou adorando um bezerro de ouro? E mesmo assim continuais adorando deuses feitos por mãos de homens e ouvindo falsos profetas?
Eis que o Senhor está dizendo: O povo que adora falsos deuses, que não permanece nos meus caminhos atrai para si maldição eterna. Não andeis atrás dos ídolos dos poderosos, nem imiteis os falsos sábios que vos rodeiam porque vos levarão para a idolatria. Dai ouvidos às minhas palavras e converta-vos ao Deus eterno para não tornardes à escravidão. Adorai sim, mas ao Deus verdadeiro que vos libertou da escravidão no Egito e virá para salvar a todos da escravidão do mal de toda sorte de pecado...(Rapaz e moça entram pelo auditória e falam dos corredores).
- RAPAZ: Fora com esse profeta maldito que trás prejuízos aos nossos negócios...
- MOÇA: Morte ao profeta Isaías!
- RAPAZ: Fora com ele! Partamos o corpo desse impostor ao meio... Não o queremos mais entre nós. Fora com Isaías... (Isaías vai saindo de fasto e desaparece) (Depois a Luz é apagada e os dois saem).

CENA - 2

- NARRADOR: Guerras sangrentas se repetiram. Trevas espessas caíram sobre o povo de Israel que não ouvia mais os seus líderes, e ainda apedrejava e matava os profetas enviados por Deus. O preço da rebeldia e da violência foi morte, destruição, enfraquecimento, e nova escravidão do povo, agora sob o tacão Romano.
- RAPAZ: (Chorando...) Nós rompemos a nossa aliança com o Deus verdadeiro. Preferimos deuses estranhos e os negócios escusos.
- MOÇA: E nos tornamos escravos novamente pela nossa rebeldia.
- RAPAZ: Eu li nos escritos de Isaías, Jeremias e Miquéias que no tempo certo Deus enviaria Jesus, o Messias prometido pelos profetas no começo dos tempos.
- MOÇA: O libertador de Israel...
- MOÇO E MOÇA ORANDO: Ó Deus de Abraão, de Isaque e Jacó já não agüentamos mais esta escravidão... Envie agora o Messias nosso libertador conforme foi prometido!... (Os dois de frente para o auditório só com uma Luz no rosto vão se ajoelhando enquanto falam juntos).




CENA – 3

NARRADOR: Já se aproxima o kairós, o tempo de Deus. Sinais na história anunciam que o Messias já está a caminho. “O povo que andava nas trevas viu uma grande luz e aos que viviam na região da sombra da morte, resplandeceu-lhes a luz”.
- RAPAZ: A pequena Belém foi eleita por Deus para ser a primeira
dentre todas as cidades de Israel.
- MOÇA: Jesus nascerá para ser o nosso libertador...
- RAPAZ: Salve! Salve Belém! cidade que será o berço
do Menino Deus.
- MOÇA: Ó céus, ó nuvens, chovam justiça e paz sobre nós!...
- RAPAZ: Aguardamos pela libertação de toda sorte de grilhão
e sofrimento...
- MOÇA: Ergamos aos céus o nosso grito de liberdade!...
- TODOS: Glorificado seja o Deus Javé que nos enviará o Messias, o
grande libertador de todos os povos!... (O moço convida todos do
auditória pra gritar juntos. Projetar no telão o texto.).

CENA – 4

- NARRADOR: O momento é de suspense, a hora está chegando quando será anunciado o nascimento do filho Deus. E a escolhida para ser a mãe do menino, que receberá o nome de Jesus, foi Maria uma mulher simples da cidade de Nazaré. (Nesse momento acende uma luz sobre Maria que está sentada no palco e entra o anjo)
- ANJO: “Alegra-te muito favorecida! O Senhor é contigo...(Maria assusta) Maria, não temas; porque achaste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus”.
- Maria: Mas como pode, se nenhum homem me tocou?
- ANJO: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te
envolverá com a sua sombra; Por isso aquele que vai nascer
será também chamado Filho de Deus.
- MARIA: (Ajoelhando-se) Aqui está a serva do Senhor; que se cumpra em mim conforme a tua palavra!(A luz fica só em Maria e o anjo desaparece).(Lc. 1:26-38).

- CENA – 5

- NARRADOR: Aquele momento, de extrema alegria, apequenou o coração de José, noivo de Maria, que não conseguia entender o que estava acontecendo. Então o Senhor mandou um anjo ao socorro de José seu servo.
- ANJO: José, filho de Davi, servo do Deus altíssimo, não temas receber Maria por tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo.
(José sozinho no palco recebe o anjo e depois Maria entra e fala com José).

- MARIA: José o Senhor que cuida de nós colocou no meu coração que, antes do nascimento do nosso filho, devemos visitar Zacarias e Isabel...
( Os dois vão saindo e a luz vai se apagando).

- CENA – 6

- NARRADOR: E José e Maria foram pela região montanhosa visitar Zacarias e Isabel, que mesmo sendo estéril, se achava grávida do menino que receberia o nome de João Batista. Quando Isabel avistou Maria vindo ao longe correu ao seu encontro e possuída pelo Espírito Santo exclamou em alta voz:
- ISABEL: Salve Maria! Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Como pode vir me visitar a mãe do meu Senhor! Quando a vi o meu bebê estremeceu no meu ventre. (Lc. 1:39-45).
- MARIA: Como sabes de tudo antes que eu lhe conte o que aconteceu?
- ISABEL: Sim! Sei de tudo porque um anjo me contou que darás à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele é filho do Deus Altíssimo.

- CENA – 7

- NARRADOR: E logo veio ao conhecimento de Maria e José o decreto de Cesar Augusto, imperador de Roma, ordenando que todos os seus súditos se apresentassem em suas cidades natal para o grande recenseamento. Como se tratava de ordem do imperador todos procuraram cumpri-la dentro do tempo determinado.
Então José e Maria seguiram para a cidade natal de José, Belém da Judéia, e lá chegaram depois de alguns dias de caminhada. Maria já estava sentindo que poderia dar à luz a qualquer momento.
- JOSÉ: Maria, já procurei lugar nas hospedarias, mas todas estão lotadas. Não há lugar para Jesus Nascer. (Maria continua sentada num caixote no palco e José sai...)
- MARIA: Então vai ver se uma família pode nos receber em sua casa. Eu já estou sentindo muita dor.
- JOSÉ: (No outro canto do palco bate na porta de uma casa). Vim de Nazaré para o recenseamento e a minha esposa está para dar à luz. A senhora tem um quarto para nos abrigar?
- BELENENSE: Sinto não poder atendê-lo, mas acabo de ceder o quarto de hóspede da minha casa para uma outra família.
- JOSÉ: Minha senhora esta é a terceira casa que bato. A senhora não sabe alguém que possa nos hospedar?...
- BELENENSE: Infelizmente não sei porque toda a cidade está tomada pelas pessoas convocadas para o recenseamento.
- JOSÉ: (José sai triste) Maria, não achei uma hospedaria nem uma casa para o nosso filho nascer. Quando eu era menino costumava brincar em umas grutas onde funcionavam estrebarias. Vamos até lá... Quem sabe conseguiremos um espaço para você descansar e o nosso filho nascer.
- MARIA: Vamos! Penso que o jumentinho, o boi e as ovelhas abrirão um espaço para o nosso filho nascer.



- CENA – 8

- NARRADOR: E naquela noite completaram-se os dias e Jesus nasceu. Maria enfaixou o seu filho primogênito e o deitou numa manjedoura, porque não encontrou lugar para ele nas hospedarias e casas de Belém. E Deus mandou os seus anjos para anunciarem aos pastores do campo o nascimento de Jesus e também para visitá-lo na estrebaria.
- ANJOS: (Cena dos Pastores no campo). Não temais! Eis aqui vos trago boa nova de grande alegria, que o será para todo o povo. É que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos será por sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada numa manjedoura.
- PASTOR: Vamos até Belém ver o menino Deus que nasceu e está deitando numa manjedoura.
- OUTRO PASTOR: Vamos sim!... Os anjos nos indicarão o caminho...

- CENA - 9

- NARRADOR: Enquanto os pastores seguiam, deserto afora, em direção da estrebaria, os magos do Oriente, que viram a estrela do Messias, rei dos Judeus, já estavam em Jerusalém pedindo para Herodes indicar onde nascera o rei dos judeus, visto que haviam perdido a estrela de vista.
- GASPAR: Ó rei de um grande império, só um desejo nos motivou para essa grande peregrinação... A esperança de encontrar o rei dos Judeus, que acaba de nascer, segundo disseram os profetas de Israel. Estamos trazendo, em nossa bagagem, preciosos presentes para ele.
- BALTHAZAR: A nova combinação dos astros fez aparecer no céu essa estrela com um brilho extraordinário, jamais visto, anunciando o nascimento do rei Jesus. Foi essa estrela que nos trouxe até aqui.
- HERODES: Ser-me-á dado o prazer de ver também essa estrela?
- MELCHIOR: Infelizmente, ó rei, não, porque quando nos aproximamos daqui a estrela desapareceu. Deve ter sido pela vontade de Javé o Deus eterno dos judeus.
- HERODES: Ó nobres sábios, infelizmente, eu também não posso ajudá-los, pois desconheço essa história. Podem seguir na busca desse rei dos judeus e, se encontrá-lo, passem por aqui na volta para jantar, repousar e também para me dizer onde ele está, pois desejo conhecê-lo e presenteá-lo como farão.
- BALTHAZAR: Agora mesmo seguiremos o nosso caminho. Herodes, que o Deus dos seus pais lhe conceda longa vida...
- GASPAR: E também um longo e próspero reinado...
- MELCHIOR:E que sejas um rei amado pelos povos que governas...
(Os magos vão falando e saindo).

- HERODES: Que história ridícula essa de “Rei dos Judeus”! Hahah!... Deve ser algum sonho ou superstição desse povinho pobre e ignorante... Aqui o rei sou eu. E sempre serei eu! Ninguém vai tirar a minha coroa nem hoje e nem depois. Vou preparar os meus comandantes e soldados para no momento certo passar um pente fino em Belém da Judéia, em todos os seus bairros, vilas e vilarejos. Vamos matar os meninos, filhos de judeus, com menos de dois anos de idade. Não escapará um para contar a história. Quero ver se os judeus terão um dia um rei que não seja eu!...Hahaha....! (Rindo...). (A luz se apaga e encerra-se acena).

- CENA – 10

- NARRADOR: Nem o ódio e descaso de Herodes foram suficientes para impedir que os anjos, pastores e magos chegassem até à gruta onde estava o menino Jesus, o rei dos judeus. Os pastores foram avisados e guiados pelos anjos e os magos reencontraram a estrela guia na saída de Jerusalém... E todos foram chegando com seus presentes e oferendas de amor àquele que é muito mais que rei dos judeus. Ele é o salvador do mundo e veio para ser rei de milhões de vidas espalhadas por esse universo.(Cena de Maria, José e o menino Jesus na manjedoura pronta para a chegada dos pastores, magos e anjos)
- MOÇA: Eis que a luz do Menino Jesus está brilhando na manjedoura para desbancar as trevas que estavam sobre nós...(acender uma luz especial dentro da manjedoura)
- RAPAZ: Jesus está entre nós para restaurar a paz e a alegria que havíamos perdido.
- MOÇA: Jesus veio para nos apontar o cainho da bondade
e do amor.
- RAPAZ: Eis o salvador do mundo, vamos todos adorá-lo!
- PASTORES: Entrada dos pastores trazendo queijos, ovelhas e mantos de pele de ovelhas para o menino Jesus e seus pais.
- MAGOS: Entrada dos magos com seus presentes: ouro, incenso e mirra.
- ANJOS: Entrada dos anjos cantando “Gloria a Deus” com toda a Igreja em pé.
- TODOS OS ATORES: (Depois de cantar o hino viram para a platéia e dizem:)
Que Jesus, o menino nascido em Belém da Judéia, possa iluminar a todos e inundar cada coração com uma nova alegria! Feliz Natal!...
- Cântico: “Brilha Jesus” ou outro cântico, por toda a Igreja.















PEÇA - O QUARTO MAGO

PEÇA - O QUARTO MAGO

O QUARTO MAGO
Narração: Conhecem vocês a história dos “Três Reis Magos” e de como viajaram de longínquas terras para levar oferendas ao menino nascido em Belém? Porventura, já ouviram a história de um quarto mago que também viu a estrela nascer, por ela se deixou guiar, mas por muitos percalços não conseguiu chegar com os três companheiros à presença do menino Jesus? Hoje vamos contar essa história da maneira que ouvimos na sala dos sonhos, no palácio do coração humano.
No tempo que Cesar Augusto era senhor e soberano e Herodes reinava em Jerusalém, vivia na cidade de Ecbatana, nas montanhas da Pérsia um homem chamado Artabatã. Em sua casa, ele e mais três magos se reuniam para estudar os astros e as estrelas do céu.

CENA – I
(Acendem as luzes para uma reunião na casa de Artabatã.)
Artabatã: Depois de tantos estudos, como fiéis discípulos de Zoroastro, somos chamados a reiterar a nossa fé e a nossa adoração ao Deus único e soberano. Não adoramos a criatura, mas o Deus criador. Não é assim que deve ser, nobre Gaspar?
Gaspar: Tens razão Artabatã. Os iluminados nunca são idólatras, pois tiram o véu da fórma para encontrar nos velhos símbolos uma nova luz para a realidade que está vivendo.
Melchior: Permitam-me voltar a falar das estrelas. Elas são incontáveis. São o próprio pensamento do Eterno. Por isso nos transmitem mensagens que não imaginamos: pelo caminho que fazem na imensidão e pela maneira que espalham a própria luz.
Baltazar: Mas há uma profecia que todo o fiel discípulo de Zoroastro já leu no Avesta e na Torá do povo judeu. Ela fala que uma estrela vai brilhar com grande luz e se encaminhar para o berço daquele que será o Rei dos judeus e o salvador da humanidade.






Baltazar: Olha, precisamos estar atentos, para que possamos seguir essa estrela quando ela aparecer.
Melquior: Vamos marcar um ponto de encontro para ali deixarmos os nossos cavalos em segurança e seguirmos viagem com oito camelos bem preparados, porque esse rei vai nascer para além do deserto.
Artabatã: U bom lugar para o nosso encontro é ao pé do templo das sete esferas que está depois das ruínas da Babilônia, pois vamos partir de lugares muito diferentes.
Gaspar: Não será fácil pra mim, mas lá estarei conforme o combinado.
Melchior: Cuidemos para que, uma vez avistada a estrela, não a percamos mais. Perdê-la é não achar mais o caminho para o onde está o menino Rei.
Artabatã: Adeus companheiros, adeus!... Até o nosso encontro ao pé do tempo das sete esferas. Antes vamos decidir o que cada um levará de presente para honrar o menino Rei.
Gaspar: Eu levarei ouro para o Rei
Baltazar: Eu levarei incenso...
Melchior: Eu levarei mirra. Artabatã, você leva as pedras preciosas...
Artabatã:(Já sozinho) Vou vender alguns cavalos e comprar três jóias: Uma de safira, uma de rubi e uma de pérola.
Narrador: E dias e noite se passaram sem que Artabatã visse algo de novo acontecer no espaço. Até que numa noite em que o céu estava claro a ponto de se avistar por sobre os remotos picos Júpiter e Saturno rolando juntos como fogos-fátuos, prestes a se fundirem num só astro. Nesse momento, enquanto Artabatã olhava para os dois planetas, surgiu das trevas uma centelha azul côr-de-aça rodeada pelos esplendores de uma esfera carmezim. Era a estrela do Rei de Israel que pulsava pela primeira vez na abóboda celeste, mais luminosa que todas as estrelas já vistas. Impactado pelo brilho da nova estrela Artabatã deixou cair a sua luneta e bradou:
Aratabatã: Eis o sinal! É a estrela do Rei dos judeus... Eu irei ao seu encontro...




Narrador: Todas as noites o cavalo vasda de Artabatã era recolhido na estrebaria e ficava esperando a hora de ser encilhado para a grande viagem. Ali ele esperava impaciente escavando o chão e sacudindo a cabeça, como quem estava entendendo a grande empreitada do seu amo. Antes dos pássaros terem iniciado sua alegre canção matinal Artabatã e
vasda estavam singrando a galope o imenso deserto em direção ao ocidente. Artabatã ia alegre cobrindo a quilometragem prevista para chegar ao templo das sete esferas, antes da meia noite do sétimo dia, depois de avistada a estrela guia.
Mas ao entrar num bosque de tamarinos, vasda baixou seu ritmo, naturalmente, Artabatã achou que ele estava se ressentindo da longa viagem sem descanso. Mais alguns metros a passos lentos e resfolegando ele estacou junto a uma palmeira sob a qual estava um vulto caído ao chão. Artabatã apeou do animal e foi saber do quem se tratava, mesmo com a hora avançada.

CENA - II
Artabatã: Quem lhe feriu e por que lhe abandonaram?
Judia: Foi o meu próprio marido que não me quer mais porque não posso ser mãe. Fui abandonada aqui para morrer.
Artabatã: (Após servir água e cuidar dos ferimentos da judia que estava ali abandonada fez a seguinte oração:) Deus de bondade peço que entenda a minha atitude e me oriente pela estrada certa que só tu conheces, pois preciso me encontrar com os meus companheiros.
Judia: Quem é você e porque me trouxestes de novo à vida, quando eu já estava prestes a desfalecer?
Artabatã: Sou o mago Artabatã da cidade de Ecbatana e vou a Jerusalém à procura do menino Rei dos Jedeus. Não me retardes mais a viagem pois a caravana pode partir pensando que eu não vi a estrela guia ou desisti da viagem. (Nessa hora ele entrega pão, vinho e óleo curativo para a judia)






Aqui está a minha reserva de pão, de vinho e de óleo curativo. Assim que o dia amanhecer você poderá buscar os seus familiares e continuar o tratamento.
Judia: (De mãos trêmulas para o céu) Que o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó vos abençoe e torne próspera a vossa jornada. Nada tenho a oferecer como recompensa pela vossa bondade, mas peço que o Deus eterno vos leve a salvo até onde está o menino Rei.
Narração: Já passava algumas horas da meia noite do sétimo dia. Artabatã partiu, apressadamente, e vasda reanimado pelo breve descanso disparou galopando pelas distâncias. Quando começaram a se aproximar do templo das “Sete Esferas” Artabatã logo percebeu que a caravana já havia partido, por certo, no horário combinado. Chegando ao local, tomado de grande angústia, apeou do animal, sentou numa pedra, até decidir que rumo tomar.
Artabatã: (Acha o bilhete deixado pelos companheiros e o lê: Artabatã: “Nós vos esperamos para além da meia noite, mas a estrela seguia o seu caminho e não pudemos esperá-lo mais. Procure avistar a estrela e nos alcançar”.). Não!...Impossível! Como vou atravessar o deserto num cavalo exausto? Tenho que voltar à Babilônia, vender a safira e comprar dois camelos e provisões para a viagem. Jamais alcançarei os meus amigos, mas vou continuar. Perdi a estrela de vista por fazer o bem...
Narração: Artabatã voltou até a Babilônia, vendeu a valiosa safira e comprou dois camelos e provisões para a viagem. E assim partiu pelo deserto a fora, mas a estrela nem de dia nem de noite apareceu para guiá-lo. O deserto, terra desfalecida, se tornava cada dia mais hostil. À noite os chacais rondavam sua caminhada e só se ouvia os urros dos leões ressoar pelas encostas das montanhas, enquanto um frio enregelante substituía o calor do dia. Mas sem esmorecer Artabatã seguia fazendo a sua jornada. Enquanto isso Gaspar, Baltazar e Melquior já estavam em Belém da Judéia fazendo as suas oferendas ao menino rei dos judeus.





III Cena
O presépio completo conforme o evangelho de Lucas ( Esta cena poderá ser mostrada no telão ou ao vivo).
Narração: Alguns dias depois que os magos estiveram com Maria, José e o menino Jesus, em cujos pés depositaram as oferendas: ouro incenso e mirra. O quarto mago por indicação errada foi parar em Nazaré a procura do menino rei dos judeus. Só depois de alguns dias corrigiu o caminho seguindo para Belém da Judéia. Ao entrar na cidade procurou saber onde está o menino rei dos judeus.
Artabatã: Ouve uma mãe cantando para o filho dormir. Bate palmas à porta e pergunta: Sabes alguma coisa sobre o Rei dos Judeus que estava para nascer?
Mulher: Ouvimos das autoridades que ele nasceu numa estrebaria, fora da cidade. O seu pai se chama José e sua mãe Maria.
Artabatã: Desculpe a insistência, mas por acaso passaram por aqui três homens de vestes reais vindos de longe e montados em camelos?
Mulher: Sim passaram, e segundo informações, ofereceram ricas dádivas ao menino nascido. Mas também desapareceram muito rapidamente. E o menino não está mais onde nasceu porque naquela mesma noite seus pais fugiram com ele em direção ao Egito.
Artabatã: (com o nenê no colo) Por que não é este o prometido rei dos judeus? (A mãe pega o menino coloca no berço para dormir e serve um chá para o mago Artabatã)
Mulher: (Ao ouvir um barulho vai ver quem é e volta gritando) Soldados! Soldados!... Os soldados de Herodes estão vindo para matar os meninos....(pega o seu filho e vai escondê-lo)
Artabatã: ( Artabatã coloca-se na porta da casa e pega uma jóia) Estou sozinho nesta casa e pretendo oferecer ao prudente capitão esta jóia para que me deixe em paz.
Capitão: Soldados! Para trás, nesta casa não há criança alguma.






Artabatã: Deus da verdade, perdoa o meu pecado! Para salvar uma criança fiz o que não deveria ter feito. Agora duas das minhas dádivas já se foram. Gastei com criaturas humanas o que se destinava ao filho de Deus. Ainda serei digno de ver o seu rosto um dia?
Mulher: Que a bênção do Deus eterno esteja contigo, pois salvaste o meu filho da morte. Que o Senhor ainda vos mostre o seu rosto e te dê a paz!

IV – CENA
Narrração: E Artabatã partiu em direção ao Egito em busca da família que deixou Belém da Judéia dias antes de sua chegada. Mas as pegadas eram na areia e o vento ia apagando todos os sinais deixados pelas pessoas.
Assim o tempo foi passando e a distância entre ele o menino Jesus ficando cada dia ainda maior. A Esfinge e as Pirâmides do velho Egito lhes serviram para longas meditações sobre a sua procura inglória. Até que um dia resolveu se aconselhar com um velho sábio de Alexandria, do qual ouviu estranhas palavras.
Artabatã: Sábio, antes quero lhe dizer que já estou cansado e envelhecido de tanto procurar pelo Messias de Israel, mas até agora não tenho nenhuma pista segura de onde encontrá-lo. O Sr. pode me ajudar?
Sábio: (Olhando nos olhos de Artabatã) Lembra-te meu filho de que o rei por ti procurado não será encontrado num palácio entre ricos e poderosos. Não sei onde Ele está, nem como as pessoas poderão homenageá-Lo, mas uma coisa sei, aqueles que o procuram, farão bem se o procurarem entre os pobres, os humildes, os sofredores e os oprimidos.
V – CENA
Narração: Trinta e três anos se passaram e Artabatã continuava buscando encontrar-se com Jesus. Seus cabelos esbranquiçados já emolduravam um rosto marcado pelo tempo. Cansando e pensando que a morte já se avizinhava seguiu, achando ser a última vez, em direção Jerusalém, a cidade santa, levando ainda um resto de esperança.




Ao adentrar seus portais logo percebeu que era Páscoa. A cidade estava movimentada, repleta de judeus de todos os cantos e de estrangeiros que chegavam para a grande festa. Artabatã surpreso procurou saber as razões que levavam a multidão para fora dos muros e não para o grande templo.
Artabatã: Filhas, digam-me as razões do povo estar seguindo em direção as saídas da cidade?
Mulher-1: O senhor não está sabendo? Fora dos muros, hoje, serão crucificados dois malfeitores.
Mulher-2: E um tal de Jesus de Nazaré, que se dizia rei dos judeus....
Mulher-1: Ele também fazia sinais e milagres e muito de nós cremos que Ele é o salvador do mundo...
Artabatã: Jesus de Nazaré! O rei dos judeus? Agora nas mãos dos inimigos? Eu vou lá oferecer a minha pérola em seu resgate, antes que seja executado.(Sai apressado).

VI – CENA
(Soldados levando uma mulher para ser escrava. Artabatã percebe o ocorrido e procura se aproximar para saber melhor do fato)
Escrava: (caindo aos seus pés) Piedade de mim! Salva-me por amor ao Deus eterno! Eu também fui criada na religião verdadeira. Meu pai era mercador, mas morreu deixando uma grande dívida. Por isso estou sendo levada como escrava. Salva-me senhor, a escravidão é pior que a morte. Depois eu vou trabalhar para lhe pagar essa dívida.
Artabatã: (tira a pérola de sua bolsa) Este é o teu resgate, filha do Eterno, meu último tesouro reservado para entregar a Jesus, o Rei dos judeus.
Narração: Enquanto Artabatã resgatava a escrava uma tempestade estranha, jamais vista, começou a cortar a cidade de um lado para o outro... Escureceu tudo subitamente, nuvens de poeira toldaram o céu, pedras começaram a rolar pelas ruas.






Os soldados fugiam, horrorizados, cambaleando sem rumo pela noite. Artabatã e a jovem que ele salvara procuravam se proteger encostados pelas paredes. (Máximo barulho) Quando eles foram saindo do frágil abrigo a terra começou a tremer e uma pesada telha se desprendeu de um edifício e caiu sobre Artabatã e lhe feriu a têmpora esquerda.
Escrava: Não! Não! Deus eterno, não!......(Artabatã cai ferido ao chão)
Voz de Deus: (Apenas um luz sobre Artabatã caído com a cabeça no colo da escreva) Vinde bendito peregrino de Jesus de Nazaré, porque tive fome e me deste de comer, quando ferido ataste-me as feridas, forasteiro me recebeste; quando doente me socorreste, escravo me resgataste... Em verdade, em verdade te digo que tudo que fizeste a um dos meus pequeninos, a mim o fizeste... Entre, agora, para as moradas eternas com Jesus de Nazaré. (Aleluia de Hendel).


Peça teatral: “O rei mago que perdeu o natal”
Henry Van Dike
Adaptação: Rev. Valdomiro Pires de Oliveira

DIREÇÃO
- Diretor
- Figurinistas
- Sonoplasta
- Iluminação

PERSONAGENS
- Narrador
- Artabatã
- Gaspar
- Baltazar
- Melchior
- Judia (abandonada)
- Mãe
- Capitão
- Soldado – 1
- Soldado – 2
- Sábio
- Mulher – 1
- Mulher – 2
- Escrava
- Voz de Deus













JOGRAL - MÃE MARAVILHOSA

JOGRAL - MÃE MARAVILHOSA

MÃE – MARVILHOSA CRIATURA
1- Mãe, você me guardou no seu ventre...
2- E depois de crescidinho nasci para conhecê-la.
3- Quando a vi, maravilhado, pensei comigo!
Todos - Essa vai me cuidar direitinho, será a minha mãe...
4- A mamãe sempre nos acolhe em seus braços.
1- Nos olha com tanto carinho!
2- Nos alimenta com tanta bondade!
Todos: Oh! Maravilhosa criatura nascida do amor divino.
3- Que veio com capacidade de ouvir o silêncio,
4- Ver o invisível,
1- Adivinhar os sentimentos dos filhos...
2- Corrigir com palavras tão doces que não ofendem.
Todos: Porque a boa mãe beija e corrige ao mesmo tempo,
3- Se alegra e chora por dois – Por ela e pelo filho.
4- Mãe, o sucesso dos filhos é a sua alegria
1,2- Sua maior virtude é amar,
3- amar,
4- Amar,
Todos: E amar...
1- Amar com o amor semelhante ao de Jesus
2- amor que nada espera em troca.
3, 4- Amor com incontido e infinito afeto.
1- Deus logo viu que o ser humano não podia estar
em mais de um lugar ao mesmo tempo.
Todos: Então Ele foi e criou a mãe.
3- Para cuidar de nós em todos os momentos
do nosso viver.
4- O que mais poderíamos querer?
1- Resta-nos pedir com insistência,
2- Rogar com todas as nossas forças:
Todos: Deus, abençoe todas as mães!
3- E se não pudermos tê-las para sempre ao nosso lado...
2, 4- Que guardemos as boas lembranças...
1- Aquelas que nos ajudam todos os dias...
Todos: amar, lutar, cantar, sorrir, chorar, viver...
4- Mãe, o que nós filhos devemos lhe dizer neste seu dia?
1- Dizer obrigado mamãe!
2,3- Mas obrigado é muito pouco...
4- Eu acho que devemos lhe dar um presente.
1,2-Mas um presente por mais lindo que seja, não é tudo.
3- Nós nem sabemos se ela está esperando um presente!
Todos: Toda mãe saudável espera dos filhos algo sem
etiqueta, sem pacote sofisticado e sem preço...

4- Mas de grande valor:
1- Reconhecimento!
2- Gratidão!
3-4- Gostamos!... Gratidão sim é mais, é pra valer!...
Todos: É transbordar de alegria o coração de uma mãe!
1- O presente pode até ficar pra depois...
2- Visto que o dia das mães
3- É hoje,
4- É amanhã,
Todos: É todos os dias.
1- Mãe, criatura divina!
2,3- Maravilhosa dádiva de Deus!
4- Por isso vamos dizer juntos:
Todos: Vale a pena ser filho, só para ter mãe.

Rev. Valdomiro Pires de Oliveira







JOGRAL - PAI NOSSO

JOGRAL - PAI NOSSO

PAI NOSSO EM JOGRAL
(Mt. 6:9-13)

- Todos: Pai nosso que estás nos céus.
1- Deus é um pai de amor.
2- Se um filho lhe pedir um pão jamais lhe dará uma pedra.
4- Pai é, quem sabe, a primeira palavra que aprendemos e a
última que vamos pronunciar.
- Todos: Deus é o pai nosso.
3- Jamais será exclusivo de uma religião, de uma Igreja ou de
uma única pessoa.
5- Ele é pai de todos os que vai adotando em Cristo...
- Todos: Deus é o pai que está nos céus.
4- Ele está sobre tudo. Da sua muita grandeza inunda
toda a criação com seu amor de pai.
- Todos: Santificado seja o teu nome.
1/2- Quer dizer que devemos separar esse nome
5- para ser colocado acima de todos os nomes.
1- Com o nome de Deus não se brinca porque é santo.
3/4/5- Santifique em sua vida o nome do nosso pai celeste.
- Todos: Venha o teu reino.
2- Quando dizemos “venha o teu reino” estamos pedindo para Deus...
1/3- Que o bem reine sobre nós!
4- Mas só por meio do novo nascimento, em Cristo Jesus...
3- nos tornamos participantes desse Reino de amor e paz.
- Todos: E faça-se a tua vontade assim na terra como nos céus.
5- Na criação a vontade de Deus foi feita na terra
assim como é feita nos céus,
2- pelos anjos, arcanjos, querubins, serafins
e os demais viventes celestiais.
3/4/5- Perguntamos: A vontade de Deus está sendo feita em sua
vida como é feita nos céus?






- Todos: O pão nosso de cada dia dá-nos hoje...
2- Pão, nos ensinos bíblicos é tudo aquilo que serve para o nosso
sustento.
1- Ninguém vive sem pão.
3- O “Pai Nosso” é a oração dos pobres da terra, dos peixes
do mar, dos animais da floresta e das aves dos céus...
4- porque eles não sabem se amanhã terão o próprio sustento, o pão.
- Todos: E perdoa-nos as dívidas, assim como nós temos
perdoado aos nossos devedores.
5- Dívida nessa oração é também pecado, ofensa ao próximo
e a Deus.
2- A Bíblia diz com clareza que todo o ser humano ofendeu
a Deus, pecou e precisa do seu perdão.
4- Mas para sermos perdoados precisamos também perdoar
àqueles que nos têm ofendido.
1/2/5- Você já aprendeu a perdoar para ser perdoado?
- Todos: E não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal.
5- A Bíblia relata muitas tentações...
3- Adão e Eva foram tentados.
1- Os discípulos foram tentados
2- Jesus foi tentando das mais diversas maneiras.
- Todos: O Diabo, nosso adversário, não faz outra coisa
a não ser tentar nos derrubar.
4- Mas o apóstolo Paulo nos afirma que Deus é fiel
5- e não permitirá que sejamos tentados além das nossas forças...
3- E que juntamente com a tentação Deus nos proverá livramento.
(I Cor.10:13).
1- E o apóstolo Tiago nos anima dizendo:
1/2/4- “Resisti ao diabo e ele fugirá de vós”. (Tg. 4:7)
2- Pai nosso, que estás nos céus,
3/5- nós te amamos,
Todos- pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém!

Rev. Valdomiro Pires de Oliveira
JOGRAL - VIDA E MINISTÉRIO DE DIETRICH BONHOEFFER 22 de outubro de 2014

JOGRAL - VIDA E MINISTÉRIO DE DIETRICH BONHOEFFER

VIDA E MINISTÉRIO DE DIETRICH BONHOEFFER

Todos - Disse Jesus: Vem e segue-me!
1- Aquele que quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me...
T- Vem e segue-me!
2- Quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; quem perder a sua vida por minha causa esse a salvará.
3- Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.
4- Bem-aventurados sois quando por minha causa vos injuriarem e vos perseguirem...
T- A esses disse Jesus: Vem e segue-me!
1- Dietrich Bonhoeffer nos afirmou:
2- 3- “Quando Cristo chama o homem, chama para vir e morrer”.
T- Vem e segue-me!
4- O fato de Jesus ser o Cristo dá-lhe autoridade para
chamar e exigir obediência até a morte.
T- Segue-me, caminha nos meus passos... Isso é tudo!
1- O mandamento de Jesus é claro...
T- Segue-me! Tome a sua cruz!
2- A cruz de Jesus não é maldição, desventura, nem é pesada demais que alguém não possa carregá-la.
3,1- A cruz é o sofrimento que surge como resultado
do nosso compromisso com Cristo.
4- É um sofrimento necessário, inevitável...
T- O sofrimento da cruz vem para dizer que pertencemos
a Cristo Jesus.
2- A única maneira de triunfarmos no sofrimento
é suportando a cruz.

T- Segue-me! A ordem é essa, não há outra...
1- Quem já aceitou essa ordem?
2- Milhares, no tempo e no espaço, já aceitaram essa ordem!
3- Já tomaram a sua cruz e seguiram ao Mestre Jesus.
T. Entre eles está o Pastor Luterano
Dietrich Bonhoeffer...
4- O fiel cristão,
1- O servo exemplar,
2- O mensageiro destemido,
3- O profeta por excelência,
T- O mártir que não podemos esquecer.
4- Bonhoefer nasceu em Breslau - Alemanha, em 4 de fevereiro de l906.
1- Bem cedo comprometeu-se com Cristo Jesus,
2- Com o amor ao próximo,
3- Com o bem comum,
4- Com a paz e a justiça...
T- Aprendeu a amar tudo que dá beleza
para a nossa existência:
1- Amar os pais,
2- Amar os irmãos,
3- Amar a sua noiva...
T- Bonhoeffer aprendeu a amar a natureza:
4- Os vales e as montanhas,
1- As folhagens, as flores e os frutos,
2- As aves, os animais e os viventes do mar
3- E a beleza do céu e do espaço sideral.
T- Bonhoeffer amava a arte e a criatividade,
4- A música e a poesia,
1- A escultura e a literatura,
2- O teatro e o cinema
3- E todos os movimentos e danças...

T- Amava acima de tudo a Deus criador de todas as
coisas e de todos os viventes.
4- Ele não queria a humanidade prisioneira do nazismo...
2,3- Então declarou: “Jesus Cristo, e não homem algum
ou o Estado, é o nosso salvador”.
1- Para ele o nazismo era uma tentativa brutal de fazer história sem Deus, baseada na força humana.
2,4- Por isso pregou contra as idéias de Hitler dentro
da Alemanha e participou de um plano pra eliminá-lo.
2- Foi perseguido e expulso da universidade,
3- Mesmo assim não fugiu do seu país.
T- Bonhoeffer foi um grande patriota, amou e defendeu
o seu país, mas foi rejeitado pelos nazistas.
1- Seu coração pertencia aos que resistiam o mal,
2- Aos perseguidos pelo nazismo.
3,1- Seu coração esperava pela hora de ajudar
na reconstrução da Alemanha pós-guerra.
3- Ele queria a Alemanha para Cristo!
1- O seu objetivo era defender a vida e a liberdade
T- A sua orientação e a sua força vinham de Deus
1- Por isso, no dia 5 de abril de l943, foi preso pela Gestapo
a polícia de Hitler.
2- Era então um cristão prisioneiro do nazismo.
3- Quer na prisão ou nos campos de concentração,
4- Mantinha-se tranqüilo,
1- Mantinha-se fiel
T- Estava seguro no caminho traçado por Deus!
2- Guerreiro indomável.
3- Um gigante sofredor...
4- Dominado, mas nunca vencido.

T- Mesmo na cela fria, ameaçado e torturado tinha
uma mensagem de vida para todos.
1- Mensagem de amor
2- De conspiração
3- De Libertação
T- Mensagens de fé, esperança e alegria
para o mundo livre das algemas e prisões.
4- Que saíam pelas grades em papel de embrulhos:
1- Em forma de recados e bilhetes,
2- De cartas e estudos...
T- As suas mensagens chegaram até nós por esses e
outros caminhos.
3- “Orações de um preso alegre”.
4- “Mensagens de um encarcerado propositalmente otimista”.
1- “Proclamação de um conspirador inabalável na sua fé”.
2- Suas mensagens sacudiram os tempos,
3- Incomodaram o nazismo...
T- Suas idéias e mensagens ultrapassaram as décadas
4- Porque o seu cristianismo era forte,
1- Verdadeiro,
2- Destemido,
3- Contundente,
T- Sofrido e vivido até a morte...
4- Marcado pela sua firmeza de espírito,
2,3- Grandeza de propósito...
1- Comprometido com a paz,
2- Comprometido com a justiça.
T- Bonhoeffer queria o bem da humanidade
3- A justiça e a paz reinando em cada coração!...
1- Na Alemanha e em todos os cantões do mundo...
2- E pela justiça e a paz, que tanto defendia, caminhou para a forca...
3- A passos lentos,
4- Calmos,
1- A passos firmes,
T- Monologando, quem sabe!...
2- Nas tuas mãos, Senhor, está a Alemanha!
3- Nas tuas mãos está a paz que já se anuncia!...
T- Nas tuas mãos está este meu minuto final.
4- Enquanto isso o carrasco preparou a forca,
1- Enlaçou o seu pescoço,
2- E foi assim que o carrasco acionou a forca.
T- Foi assim mesmo que, no dia 9 de abril de l945, morreu o Pastor Dietrich Bonhoeffer vítima do nazismo alemão.
3- O mundo perdia um cristão verdadeiro,
4- Um servo humilde,
1- Um profeta implacável,
T- E a Alemanha perdia um dos seus filhos mais brilhantes, por conta dos pecados do diabólico nazismo.
2- Mas suas mensagens continuam falando até hoje...
3- Inspirando vidas,
4- Sacudindo Igrejas,
T- Desafiando o mundo a tomar a cruz e seguir os passos de Jesus Cristo.

Rev. Valdomiro Pires de Oliveira

OBS – No Google se encontra o filme “Bonhoeffer – O agente da graça”.
JOGRAL - JOGRAL DE DESPEDIDA 22 de outubro de 2014

JOGRAL - JOGRAL DE DESPEDIDA

JOGRAL DE DESPEDIDA


1- Hoje é um dia muito especial!
- Todos: Especial para todos nós.
2- Por que especial, alguém está aniversariando?
- Todos: Não! Aqui ninguém ficou mais jovem.
2- Então por que especial?
3- Especial, porque estamos nos despedindo.
2- Despedindo?... De quem?
- Todos: Despedindo da tia Lea.
3- Estou triste. Já chorei e sei que vou chorar mais...
1- Não chore! Ela vai pra Londres, Inglaterra... Que chic!
3- Chic, mas é longe...
4- Longe nada. Agora, de avião tudo é perto! Londres é logo
ali, um tirico de espingarda!
- Todos: A tia Lea vai, mas volta logo, porque Chic pra nóis
é só Rio Preto.
4- Tia Lea, agora estamos lhe oferecendo este
“Café da manhã” como despedida.
- Todos: Ele é a nossa gratidão por tudo que Você fez e ainda
vai fazer pelo nosso Departamento Infantil.
1,2,3 - Já estamos esperando a sua volta. Não pense que Você
vai escapar assim facinho, facinho!...
- Todos: Na ida não, mas na volta estaremos todos no
aeroporto para acolhê-la de coração. É só avisar!
4- Eu não vou na despedida porque eu sempre choro...
1- Eu também...
2- Eu também...
3- Eu também...
5- Eu também...
6- Eu também...
- Todos: Tia Lea, nós todos somos chorões!...(Todos esfregando os olhos)
2- Tia, que Deus possa guardá-la no avião...
- Todos: No chão do Brasil, no céu das aves e dos aviões e,
especialmente, ao chegar ao chão da Inglaterra, Londres!...
3- Que viagem linda! Estou até com uma invejinha!...
4- Tia, volte logo!
5- Estaremos aqui orando por Você.
1- Ore por nós!
- Todos: Que Deus a guarde pelo seu poder, no seu amor e na sua
eterna luz...
6- Tia Lea, você é de Deus!
2- Que nada de ruim lhe aconteça!
3,4 - Sucesso nos seus projetos!
1,2,5,6 - Muita alegria do céu para o seu coração!
- Todos: E que, onde você estiver, a sua vida seja um exemplo de
louvor e adoração ao nosso Deus! Amém!
JOGRAL - SAUDADE DA PÁTRIA 22 de outubro de 2014

JOGRAL - SAUDADE DA PÁTRIA

JOGRAL - SAUDADE DA PÁTRIA
(Salmo 137)

1- À roda dos canaviais,
2- Nas plantações de soja
3- Nas invernadas e nos cafezais...
1- Nas rodovias e estradas,
2- Nas capelas e catedrais
3- E nas praças e calçadões,
T- Nos sentamos a chorar...
e choramos demais!
1- Choramos só de pensar...
2- Que o tambor e a viola,
3- O pandeiro e o caxixi,
1- O reco-reco e o atabaque,
2- O triângulo e o bongô
T- São instrumentos da nossa cultura
que na hora do cântico do Senhor
ficam nos salgueiros, ficam de fora.

3- E o nosso louvor não é a nossa canção:
1- Não é um samba, uma bossa-nova, um frevo...
2- um chorinho, uma sertaneja, nem um baião.
T- Elevamos sim, elevamos ao Senhor, um cântico estranho
na terra brasileira.

1- Não temos autenticidade
nem na hora que deve falar o coração.
2- Não somos um povo livre
nem na hora do devoção.
3- Até quando?
1- Até quando entoaremos ao Senhor
um cântico estranho na terra brasileira?
2- Até quando seremos uma Igreja papel carbono?

T- Quando vamos acordar, cair do berço, e seguir este verso?
1- Se nos esquecermos de ti chão roxo, chão preto,
2- chão brasileiro, chão latino,
3- chão do coração!...
T- Que a nossa língua apegue-se ao céu da boca,
e que não possamos mais cantar.
1- Ainda bem que o Espírito Santo nos tem lembrado
da nossa terra, da nossa cultura,
2- como o povo de Israel era lembrado de Jerusalém,
3- E muitos poetas,
1- compositores,
2- instrumentistas e cantadores...
T- Já estão louvando a Deus com as canções
brotadas neste chão:
3- Chão nosso!
1- Chão altaneiro!
2- Chão feliz!
T- Chão brasileiro!...

Valdomiro Pires de Oliveira
JOGRAL - JOGRAL EVANGELÍSTICO 22 de outubro de 2014

JOGRAL - JOGRAL EVANGELÍSTICO

JOGRAL EVANGELÍSTICO
AS QUATRO LEIS ESPIRITUAIS EM JOGRAL
1- Hoje temos uma boa notícia pra você.
T- Deus o ama e tem um plano maravilhoso para a sua vida.
2- Esse plano está registrado na Bíblia, no livro de João capítulo três,
versículo dezesseis:
3- “Porque Deus amou o mundo de tal maneira,
4- que deu o seu filho unigênito,
T- Para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a
vida eterna”...
1- Jesus é o instrumento de Deus para nos trazer uma vida de paz e
alegria...
2- Sim! Uma vida com sabor, gostosa, completa...
3- mas as pessoas não estão acessando essa vida que a Bíblia fala.
4- Não estão acessando porque, lá no passado, o ser humano
interrompeu o seu relacionamento com Deus.
1- Se rebelou contra Deus, pecou, e resolveu viver sem Deus,
fazendo o seu próprio caminho.
T- “Todos pecaram e carecem da glória de Deus e o salário do pecado
é a morte” (Rm. 3:23 e 6:23)
2- O ser humano está em pecado e com isso cavou um grande
abismo que o separa de Deus...
3- Deus é Santo.
4- O ser humano é pecador.
T- E nenhum esforço humano poderá aproximá-lo de Deus...
1- Mas e se eu for uma pessoa boa que leva uma vida reta, limpa,
2- Tiver uma religião, fizer boas obras, nem assim me aproximarei de
Deus...
3- Nem assim você atravessará o abismo que o pecado abriu entre
você e Deus.
T- Porque “Todos pecaram e carecem da Glória de Deus”.
4- O ser humano sempre acaba vencido pela fraqueza da carne e a
força do pecado.
1- Por isso só Jesus Cristo, o filho de Deus, é a solução para o
problema do pecado que nos separa de Deus.
2-Ele deixou o céu,
3- Nasceu em forma de homem,
4- e, por amor, habitou entre nós...
T- E assim “Deus prova o seu próprio amor para conosco, pelo fato
de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores”.(Rm.5:8).
1- Então Cristo foi morto por conta dos nossos pecados?
2- Sim! Ele morreu em nosso lugar, pagou junto ao pai, as nossas
culpas.
3-Cristo foi crucificado, morto e sepultado, mas ao terceiro dia
ressuscitou e apareceu aos seus discípulos. (I Cor. 15:3-6)
1- Por isso Ele podia dizer a todos nós:
T- “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao pai, a não
ser por mim”. (João 14:6)
1- Cristo, ao morrer em nosso lugar atravessou o abismo, abriu o
caminho para a nossa comunhão com Deus.
2- Então agora toda a pessoa que quiser já pode ter aquela vida
alegre, gostosa, completa, prometida por Deus?
3- Sim, basta crer e receber a Jesus Cristo como Senhor e
salvador da sua vida.
4-E você deixará de ser só uma criatura de Deus perdida, sem
salvação para ser uma pessoa salva por Jesus.
T- E a Bíblia diz mais: “Aos que o receberam, e aos que creram em
seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus”(Jo.1:12)
1- A partir do momento que você recebe a Jesus como seu salvador.
2- A vida reta, de boa moral e rica em boas obras...
3- Acontecerá no seu dia-a-dia, por amor,
4- Como fruto da salvação em Cristo Jesus...
T- Como é linda a vida que Jesus lhe oferece!
1- O que eu preciso fazer para receber Jesus no meu coração?
2- Eu também quero recebê-Lo como meu salvador...
3- A pessoa recebe a Jesus por meio do arrependimento e de uma
oração pedindo, a Deus, perdão dos pecados.
4- Então vamos fazer todos juntos essa oração...
1- Vamos ficar todos em pé. E que esta oração seja a sua oração
neste momento!
Todos: “Deus pai, estou arrependido dos meus pecados e precisando do teu perdão. Agora, abro a porta da minha vida e recebo Jesus Cristo como meu Senhor e salvador.
2- Obrigado Pai, por Jesus ter morrido na cruz para o perdão dos meus pecados...
3- Obrigado por me aceitar como eu sou, indiferente pecador...
4- Obrigado por me dar vida agora e vida eterna.
T- Pai, tome conta da minha vida, ela anda feia, me ajude a mudar o que precisa ser mudado e faze de mim uma pessoa conforme o desejo do teu coração. Em nome de Jesus, amém!

Rev. Valdomiro Pires de Oliveira
JOGRAL - QUANDO TEU FILHO PERGUNTAR 22 de outubro de 2014

JOGRAL - QUANDO TEU FILHO PERGUNTAR

QUANDO TEU FILHO PERGUNTAR

TODOS- Quando teu filho te perguntar…
1- Responderás…
TODOS- Responderás que DEUS É AMOR.
2- Se teu filho crescer acostumado a sentir em Deus um Pai amoroso e não um tirano que causa medo, mais tarde ele O buscará sempre, pois saberá que Deus é amor.
1 e 3- Quando teu filho te perguntar…
TODOS- Responderás que DEUS É FIEL.
3- Se teu filho crescer acostumando-se a presenciar orações de gratidão por bênçãos recebidas, por respostas dadas aos pedidos feitos com fé, mais tarde ele saberá que Deus é fiel e que Ele responde as suas orações.
1 e 2- Quando teu filho te perguntar…
TODOS- Responderás que DEUS É MISERICÓRDIA.
1- Se teu filho crescer acostumando-se a ter em Cristo um amigo misericordioso, mais tarde quando ele errar haverá de procurá-lo na certeza de ser acolhido e perdoado.
2 e 3- Quando teu filho te perguntar…
TODOS- Responderás que DEUS PRECISA DELE.
2- Se teu filho crescer acostumando-se que sua vida, seu tempo, seus talentos, seu dinheiro, seu tudo, são necessários ao reino de Deus, mais tarde ele não se negará a servir à causa de Deus com tudo que ele possuir.
1 e 3- Quando teu filho te perguntar…





TODOS- Responderás que DEUS É O CAMINHO.
1-2- Se teu filho crescer acostumando-se a trilhar o caminho certo, mais tarde não se desviará dele, muito embora possa sair de casa,
dar muitas voltas, acabará na estrada que o conduz à salvação.
TODOS- Porém, se teu filho nada te perguntar...
3- Mesmo assim, não fujas da tua responsabilidade como pai cristão, pois ele poderá não saber perguntar, mas está ouvindo as tuas palavras e vendo as tuas ações.
2- Fala-lhe, mostra-lhe, mas principalmente...
TODOS- Prova-lhe, com tua vida, tudo que estás tentando ensinar.
1- E terás cumprido fielmente a missão maravilhosa de ser pai, de preparar um filho para mais tarde ser uma pessoa de bem e um servo de Deus.
TODOS- “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e ainda quando for velho, não se desviará dele.” (Prov. 22)
JOGRAL - PRIMAVERA – ESTAÇÃO MORADIA 22 de outubro de 2014

JOGRAL - PRIMAVERA – ESTAÇÃO MORADIA

PRIMAVERA – ESTAÇÃO MORADIA


1- Vem chegando a primavera.
2- Por entre os galhos, por entre as folhas...
1,3- Vem chegando a estação das flores
3- Ela chega e traz com ela cores mil
2- E perfumes que jamais alguém sentiu

- Todos: Primavera! Primavera!
É a mais linda estação.

1- É a natureza esquecendo suas dores
2- e lavando o seu pranto
1,3- Transformando seus gemidos em canções
2- E fazendo novos seus encantos

- Todos: Primavera! Primavera!
É a mais linda estação.

2- Estação que encanta o nosso olhar
3- Sensibiliza nossos ouvidos
1- E nos ensina que sempre é possível recomeçar
- Todos: Primavera! Primavera!
É a mais linda estação.
3- Nas ramas verdes vejo flores desabrochar
2- Nos galhos secos ouço cantar o sabiá
1,3- Na bica d’água vejo a rolinha se banhar
2- E pelo ar as borboletas passam a bailar

- Todos: Primavera! Primavera!
É a mais linda estação.

3- Não tem criança que não corre pelo jardim
2- Não tem donzela que não ganha uma flor
1- E não tem velho incapaz de se apaixonar

- Todos: Primavera! Primavera!
É a mais linda estação.

1- Quem me dera ter um belo dia!
3- na pele as cores da primavera
1,3- no peito a sua sinfonia
2- E no coração a sua alegria

- Todos: Primavera! Primavera!
Queremos um dia,
fazer dessa estação,
a nossa eterna moradia.



Valdomiro Pires de Oliveira
JOGRAL - ORAÇÃO DA SERENIDADE EM JOGRAL 22 de outubro de 2014

JOGRAL - ORAÇÃO DA SERENIDADE EM JOGRAL

ORAÇÃO DA SERENIDADE EM JOGRAL
T- Se você está precisando de ajuda ou de ajudar alguém conheça
e faça a “Oração da Serenidade”.
1- Essa bela oração foi escrita pelo teólogo Reinold Niebuhr em l943.
2- São palavras com muito significado,
3- Especial para aqueles que estão vivendo um momento
de dificuldades e turbulências ,
4- de vícios e pecados,
T- de desespero e incertezas na vida.
1- Agora, então vamos fazer a “A Oração da Serenidade”,
2- E buscar viver o que estamos orando...
3- “Concede-me, Senhor, a serenidade necessária
4- para aceitar as coisas que não posso modificar...”.
T- Tem coisas na vida que não adiante brigar,
elas não mudarão, nem serão mudadas...
1- “Concede-me coragem para modificar as que posso mudar”,
2- As coisas que dependem de mim,
3- Só de mim para serem modificadas...
T- “Concede-me, Senhor, sabedoria para distinguir as coisas que não
consigo mudar das que posso...”.
4- Vivendo um dia de cada vez;
1- Desfrutando dos bons momentos da vida
2- Aceitando as dificuldades
3- como um caminho para aprender e alcançar a paz
T- Aceitando, como Jesus fez, o mundo pecador tal como é, e não
como eu gostaria que fosse...
4- Confiando que Deus faz bem e boas todas as coisas
1- “Que tudo concorre para o bem daqueles que O amam...”.
2- E que as coisas difíceis da vida, também são a vontade de Deus.
3- viver não é fácil, já sabemos disso...
T- Estamos no mundo onde o bem que queremos fazer não fazemos,
mas o mal que não queremos esse fazemos...
4- Sabemos que o “Encardido” não permite vida fácil para ninguém.
1- Mas se vivermos a oração da serenidade,
2- Na força do Espírito Santo de Deus,
3- Podemos ser muito mais felizes nesta vida!
T- E supremamente felizes com Cristo na eternidade. Amém!

A ORAÇÃO DA SERENIDADE
Concede-me, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso modificar; Coragem para modificar as que posso e sabedoria para distinguir uma das outras.
- Vivendo um dia de cada vez;
- Desfrutando um momento de cada vez;
- Aceitando as dificuldades como um caminho para alcançar a paz;
- Aceitando, como Ele fez, o mundo pecador tal como é, e não como
gostaria que fosse;
- Confiando que Deus faz bem e boas todas as coisas e aceitando a Sua vontade;
para que possa ser muito feliz nesta vida e supremamente
feliz com Ele na eternidade. Amém!

Autoria: Oração do teólogo Reinhold Neibuhr – l943.
Adaptação para jogral: Ver. Valdomiro Pires de Oliveira
JOGRAL - OS QUATRO PILARES DE UM CASAMENTO DURADOURO 22 de outubro de 2014

JOGRAL - OS QUATRO PILARES DE UM CASAMENTO DURADOURO

OS QUATRO PILARES DE UM CASAMENTO DURADOURO

Todos - O amor nasce de pequenas coisas
1- De um olhar
2- De um toque
3- De um abraço
4- De uma frase bem dita...
T- O amor vive de pequenas coisas
1- Mas também pequenas coisas podem tornar a vida a dois inviável.
2- Como a cadeira é sustentada por quatro pernas
3- A relação a dois se sustenta em quatro pilares
4- Se tirar um pode até se equilibrar
1- Se tirar dois, balança
2- Se tirar três, cai
T- O primeiro pilar da relação é o respeito
3- É fundamental respeitar as idéias e o jeito do outro
4- Sem pensar em mudá-lo
1- Ninguém é a metade da laranja
T- Cada um é uma laranjeira
2- Com suas flores, frutas e também os espinhos
3- Duas laranjeiras se encontram para fazer uma só história
4- Se não for assim, alguém vai perder a sua identidade
1,3- Terá a sua auto-estima abalada
2- Neste caso, quase sempre, é a mulher que sai perdendo
T- O segundo pilar da relação é a admiração
3- Quem ama vê o outro com orgulho
4- Podemos até dizer:
1,2- O amor é admiração que transborda!
3- O que se gosta na outra pessoa
4- devem ser mais e maiores que as que desagradam
T- O terceiro pilar da relação é o diálogo
1- Coisa boa é ter alguém que gosta de conversar
2- Que tem uma conversa agradável
3- A boa conversa vai costurando a relação a dois
4,1- E leva o casal a decidir ficar juntos pelo o resto da vida
T- O quarto pilar da relação é o sexo
2- Vale ressaltar que a sexualidade vai além da cama
3- Sexo é o caminho para o prazer de estar juntos
4- E por isso precisa ser cuidado com carinho
para que a chama permaneça viva
T- Sexo é o principal alicerce para o namoro do corpo
1- Quanto mais apertado o abraço, mais relaxa
2- Não importa se o corpo está fora dos padrões de beleza
3- O sexo é o momento que o outro é aceito com prazer
4- Para que a relação não tombe feito uma cadeira faltando pernas
T- É preciso que o casal mantenha em pé os quatro pilares
do bom relacionamento
3- Mas isso exige um investimento diário das duas partes
1- Evitando atitudes que possam abalar um dos pilares
2- Indiferenças
3- Cobranças
4- Críticas miúdas
T- Outras coisas que não são fundamentais para os dois
1- E podem colocar o casal em desarmonia
2- O ciúme
3- Visto ser difícil estabelecer uma dosagem suportável
4- A insegurança
1- É a outra face do ciúme que nunca é boa para o amor
T- Ficar revivendo o passado
2- Rusgas, histórias e comparações com amores que se foram
3- Só servem para demolir os pilares do novo amor
4- Todos os amores tiveram o seu lado bom e o ruim
T- Interferir na liberdade do outro
1- O amor é passarinho que não sobrevive na gaiola
2- Aprisionar o amor é o primeiro passo para perdê-lo
3- Pode até demorar, mas um dia ele se vai
4- Lamúrias e queixas incessantes esvai o amor
T- É preciso trocar as lamúrias pelo bom humor,
pela alegria...
1- Não há receita para ser feliz no amor
2- Mas um pacto de amor firmado entre o casal:
3- De respeito
4- De admiração
1- De diálogo
2- De saudável vida sexual
T- Pode contribuir para a maior durabilidade de uma
vida a dois.

Autoria:- Texto do psicólogo e Prof. em educação sexual Marcos Ribeiro. Adaptação para jogral - Rev. Valdomiro Pires de Oliveira.
PEÇA - NATAL DE ONTEM E NATAL DE HOJE 22 de outubro de 2014

PEÇA - NATAL DE ONTEM E NATAL DE HOJE

NATAL DE ONTEM E NATAL DE HOJE

- PENSONAGENS
- NARRADOR - Com túnica comprida, de cor viva, e manto de cor diferente nos ombros. Ler o texto num rolo, como pergaminho.
- ANJO - Moça vestida de branco acetinado (túnica) e com uma tira feita com cartolina e laminado, contornando a cabeça.
- PAZ - Moça vestida de branco, cabelos soltos, uma flor branca nos
cabelos e em uma das mãos.
- REI MAGO – Rapaz usando comprida túnica amarelo-vivo. Coroa feita com cartolina laminado e Manto vermelho
- PASTOR – Rapaz usando túnica comprida, de tecido surrado. Manto de estopa nos ombros. Cajado.
- POBRE – Mulher pobremente vestida à moda atual. Cabelo em desalinho.
CRISTÃ – Moça com roupa de cor azul manto de cor suave sobre tudo.
DEPENDENTE QUÍMICO – Usando roupa atual de cor escura surrada, boné e tênis velho...
NATUREZA – Adolescente vestida de túnica verde. Faixas de diversas cores amarradas na cintura. Flores diversas nos cabelos.
- SÁBIO – Rapaz com túnica de cor muito viva. Cordinha amarrada à cintura, trará nas mãos uma luneta feita com cartolina.
- TODOS - menos o rei mago, estarão descalços para dar maior agilidade ao personagem.
- A ENCENAÇÃO
Cenário - O presépio já está montado num estrebaria com a manjedoura José, Maria e o menino Jesus, quando os personagens do Natal de ontem se colocam à frente. Os personagens do natal de hoje entrarão depois, pela ordem, de surpresa.
TODOS - Nós estamos aqui para contar a história mais bonita de todos os tempos: “Natal de Ontem e Natal de Hoje”!
NARRADOR(A) – (Destaca-se e lê o pergaminho) – 'Ora, havia, naquela comarca, pastores que estavam no campo e guardavam, durante a vigília da noite, os seus rebanhos. E eis que o anjo do Senhor veio sobre eles e a glória do Senhor os cercou de grande resplendor, e eles tiveram grande temor. E o anjo lhes disse:
ANJO – (Com o braço estendido para o alto) 'Não temais, porque eis que aqui vos trago novas de grande alegria que será para todo o povo! Pois na cidade de Davi vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo o Senhor. E isto vos será por sinal; achareis o menino envolto em panos e deitado numa manjedoura”. Por isso céus e terra cantaram(O anjo vai e se coloca junto à manjedoura)
- Hino: “Surgem anjos proclamando”
NARRADOR(A), (continua lendo) – 'E depois que os anjos se ausentam para o Céu, os pastores disseram uns para os outros: ‘Vamos, pois até Belém e vejamos isso que o Senhor nos fez saber’. E foram apressadamente e acharam Maria, José, e o menino deitado numa manjedoura. E depois que o viram, divulgaram a palavra que acerca dele lhes fora dita.'
PASTOR – (chegando bem perto da manjedoura) Sou um dos pastores a quem o anjo avisou, lá no campo, do seu nascimento. O nosso coração encheu-se de temor, mas logo depois de uma imensa alegria! Menino Jesus, tu és o esperado de todas as nações. O grande Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz! Deus seja louvado por tua presença entre nós. (Ajoelha-se junto à manjedoura e permanece em estático.)
- Hino: “Magos do Oriente”
REI MAGO – Sou rei, vindo do Oriente e represento todos os reis da terra! É pena, menino, que virão dias em que os reis não o procurarão mais, sempre ocupados que estão com os tesouros da terra, que a traça e a ferrugem corroem; eles estão esquecidos do grande tesouro espiritual que devemos acumular no Céu. Preocupados com suas riquezas, desconhecem que ser um seguidor da estrela do Oriente é a decisão mais acertada na vida de qualquer pessoa. Glorificado seja para sempre, Rei dos reis, Senhor dos senhores! (ajoelha-se e permanece.)
NATUREZA – Estou muito feliz, menino Jesus, por participar também do teu Natal! Eu represento a natureza. Trago comigo, em tua homenagem, os mais dourados pores-do-sol e as mais lindas noites enluaradas. Tu menino, és muito mais bonito do que todas as estrelas que brilham no céu e a tua voz é mais doce que o canto suave das ondas da praia.
Ofereço-te o verde perfumado de todas as árvores e o mágico colorido de todas as flores. Sei que tu falarás sempre da natureza, lembrando o vento que sopra onde quer, os pássaros, os lírios dos campos... O teu brilho trará para a humanidade a grande luz espiritual que todos desejam encontrar. (Ajoelha-se, como Maria, a adorar o menino – imaginável)
Narrador – Jesus é a luz do mundo. Quem o segue jamais andará em trevas, mas terá a luz da vida.
MULHER POBRE – (sem jeito e próximo à manjedoura) Desculpe, menino Jesus, por eu vir assim, tão mal vestida, para a grande festa de Natal. Mas eu não tenho mesmo uma roupa melhor. Represento todos os pobres espalhados pela face da terra... e fico feliz porque tu não te importas com as aparências; só olhas para o interior das criaturas. Sei que em tua vida estarás sempre preocupado conosco e ensinará ao mundo o amor aos necessitados. Os que te seguirem aprenderão a dar o pão a quem tem fome e água a quem tem sede. Eles saberão que as palavras de vida eterna são sempre completadas com as boas obras, porque de nada vale um amor só de palavras. (Ajoelha-se também junto aos demais.)
Narrador – 'Amarás a Deus sobre todas as coisas e ao teu próximo como a ti mesmo!'
PAZ – Eu represento a paz, meigo menino. Tenho o branco da paz, que nunca faltará em teu caminho porque tu és mesmo a maior mensagem de paz que o mundo já recebeu! Os anjos falaram de paz no momento eterno para a humanidade, quando tu nasceste. O teu nome será sempre exaltado por ser o maior exemplo de paz. Que todos os seres humanos possam seguir as tuas pegadas no ideal de semear sempre a paz! (Ajoelha-se)
NARRADOR: Jesus antes de partir disse aos seus discípulos: “ Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo...”. E o autor da carta aos Hebreus continuou: “Segui a paz com todos e santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”.( João 14:27 e Hebreus 12:14)
SÁBIO – Menino Jesus, estou aqui representando os sábios e os grandes descobridores dos segredos deste mundo. Também os astronautas e intelectuais de todos os tempos. Ainda que todos os cientistas tentassem negar a tua existência, por meio da ciência, jamais conseguiriam. Conhecer todos os mistérios do universo de nada adianta, se não descobrirmos o caminho do amor que dá sentido à vida. (Coloca-se de joelhos.)
NARRADOR: “O amor não procura os seus interesses, não se ressente do mal, não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba”. (I Cor. 13:5-8).
DEPENDENTE QUÍMICO: (Entra pela Igreja em péssimas condições) Menino Jesus, eu vi o convite várias vezes ali na frente e por isso estou aqui, hoje, mas sei que não mereço estar aqui. Quem sou eu um resto humano? Esse lixo!... Perdi de estudar, perdi a família, perdi os amigos, fui mandado embora do emprego e depois de casa... Agora vivo pelas ruas pedindo moedas e catando recicláveis... Confesso, faço pequenos furtos... Já estive preso. Sabe Jesus, tudo porque não ouvi ninguém, nem minha mãe!!! Essa hora ela deve estar em casa chorando por mim... (chora...) Agora, estou aqui, mas vivo me escondendo nos terrenos baldios, nas casas abandonadas... Tem hora que me sinto um bicho...
Eu vi esse povo bacana aí lhe oferecer uns presentes bonitos, mas eu não tenho nada a oferecer. Você sabe o que é nada?... Desculpe! Eu tenho sim... Tenho esse cachimbo, símbolo da minha desgraça. Fica com ele e essas porcarias pra você... E, pelo amor do Deus Pai me ajude, me ajude, a nunca mais precisar disso... Eu quero mudar de vida... É! Mudar de vida... Ninguém acredita, mas é verdade...(Sai pela porta e vai embora)
Narrador – Disse Jesus: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará. Se, pois, o filho do homem vos libertar, verdadeiramente sereis livres”. (Jo.8:32 ).
CRISTÃ – Salve, Rei de Israel! Serei tua seguidora, uma cristã. Aprenderei o desapego das coisas materiais e o amor do próximo. Tomarei cada dia a minha cruz e não levarei bolsa nem alforge quando sair pelos caminhos anunciando as boas novas de salvação. Serei como Maria, a irmã de Marta, que preferiu sempre a tua companhia às preocupações e à pressa.
Terei a audácia de Paulo e o fervoroso amor de Pedro, o pescador de almas.
Serei corajosa como João em Patmos e simples como Maria, a mãe! O meu pedido será sempre o mesmo: 'Ensina-me a fazer o que queres que eu faça'. (Ajoelhas-se)
Narrador- Jesus nasce, de novo, todos os dias em milhares de corações oferecendo esperança e salvação. Hoje, faça do seu coração uma humilde manjedoura para acolher Jesus, como seu salvador pessoal. Só assim você vai experimentar, em sua vida, o verdadeiro natal.
NATUREZA (de pé) – Estamos acabando de apresentar: “Natal de ontem e Natal de hoje”. Assim recontamos a mais bonita história de todos os tempos. É Natal, o céu invadiu a terra para trazer salvação!
TODOS (Todos em pé, alegremente, em torno da manjedoura) – Sabemos agora que o Natal acontece todos os dias do ano, sempre que alguém aceita a mensagem de “vida, salvação e alegria”, trazida por Jesus, o menino que nasceu numa manjedoura, em Belém da Judéia!
Música:.........


Autor desconhecido. Adaptação e criação do personagem
”Dependente Químico” - Valdomiro Pires de Oliveira.
PEÇA - E O ANJO SALVOU A PROMESSA DE DEUS 22 de outubro de 2014

PEÇA - E O ANJO SALVOU A PROMESSA DE DEUS

E O ANJO SALVOU A PROMESSA DE DEUS

Abraão sobe, em silêncio, o monte onde Isaque seria sacrificado. E o filho, Isaque, faz muitas perguntas na caminhada, mesmo assim Abraão permanece concentrado e numa tristeza profunda. Restava pra Ele esperar nas promessas de Deus.
ABRAÃO: (Em cena com lenha nos ombros no meio do caminho)
ISAQUE: (Isaque mais atrás com o fogo e o cutelo) Ei! Espera pai.
ABRAÃO: (vira-se) Desculpe, filho, eu estava meio descuidado, pensando...
ISAQUE: Em que o Sr. estava pensando... No sacrifício?
ABRAÃO: Sim. Exatamente no sacrifício que eu estava pensando.
ISAQUE: Pai, nós trouxemos a lenha, o cultelo e o fogo, mas não trouxemos uma ovelha nem uma cabra para o sacrifício.
ABRAÃO: Sim filho! Acho que foi falha da minha memória.
ISAQUE: Mas pai, não estou entendendo... Onde está o sacrifício de hoje?
ABRAÃO: Filho, desta vez, o Senhor proverá o sacrifício.
ISAQUE: Podemos sentar por um minuto antes de preparar o fogo pai? (Aponta para as duas pedras)
ABRAÃO: Por quê? Você está cansado?
ISAQUE: Não muito... Eu só quero entender isso tudo.
ABRAÃO: Vamos lá filho. (Abraão senta numa pedra e pergunta) O que você quer falar?
ISAQUE: Eu só quero dizer que o Sr. tem sido um bom pai pra mim. (Isaque também senta noutra pedra)
ABRAÃO: Você está falando isso porque acha que eu o trato diferente do seu irmão Ismael?
ISAQUE: Não é isso. Eu entendo muita coisa. Mas não entendo bem quando o Sr. diz que Deus vai abençoar o mundo por meu intermédio.
ABRAÃO: E, mesmo com essas dificuldades, você continua me achando um bom pai?






ISAQUE: Claro! Você sabe me contar as histórias do passado, como um profeta. E quando fala do futuro Você sempre me coloca bem no meio das histórias. Então eu me sinto especial.
ABRAÃO: Você é especial mesmo, Isaque. O seu nascimento foi um milagre. Eu já era avançado em idade quando você nasceu.
ISAQUE: Conta-me uma história, pai.
ABRAÃO: Sobre que assunto?
ISAQUE: Pode ser sobre este lugar, o Monte Moriá.
ABRAÃO: Bem! Neste lugar, um dia, será a capital da
grande nação, que você será a primeira semente. Ela será construída nesta montanha.
ISAQUE: Eu serei uma grande nação? Veja, você está falando disso de novo! Mas quando isso acontecer, daqui a centenas de anos, eu já estarei mortinho pai.
ABRAÃO: Sim, mas todos aqueles que falarem o nome dessa
nação, mencionarão o seu nome.
ISAQUE: E o seu também.
ABRAÃO: Sim! Pode ser que sim.
ISAQUE: Pai, fala mais sobre essa cidade que será construída.
ABRAÃO: Aqui, serão construídos grandes palácios, quartéis, mas a coisa mais importante que será a morada do Senhor.
ISAQUE: O templo.
ABRAÃO: Sim. É por isso será uma grande nação.
ISAQUE: O que mais vai acontecer nesta montanha, Pai?
ABRAÃO: Eu ainda não estou com coragem de lhe dizer.
ISAQUE: Pode dizer porque acho que eu já sei.
ABRAÃO: Então diga você.
ISAQUE: Nesta montanha, um pai vai sacrificar o seu filho.
ABRAÃO: Como Você está sabendo disso?
ISAQUE: Pai, o Sr. quase não conversou comigo pelo caminho até aqui. O Sr. Fala mais e sempre brincou comigo nas caminhadas. E, em alguns momentos, eu até achei que o Sr. estava chorando.
ABRAÃO: (escorre uma lágrima) Dói muito pensar que terei que sacrificar o meu filho tão especial. Mas isso foi o que Deus me mandou fazer. Acho que é porque um dia Ele vai fazer isso também.







ISAQUE: Eu entendo... Pai, as pessoas das outras religiões sacrificam seus primeiros filhos aos deuses. É justo que Javé, o nosso Deus, exija o mesmo.
ABRAÃO: Isaque, o nosso Deus é diferente de todos os outros deuses. Daqui a centenas de anos, neste mesmo lugar, o próprio Deus vai sacrificar seu único filho pelos pecados de toda a humanidade. E o filho de Deus vai nascer da tua descendência.
ISAQUE: Eu não entendo mais nada, pai. Como o filho de Deus poderá nascer dos meus descendentes, se eu estou para ser sacrificado? Eu sou apenas um menino, ainda não tenho filhos.
ABRAÃO: Isaque, eu também não estou entendendo. Apenas sei que o Senhor me prometeu um filho quando eu e sua mãe não tínhamos mais idade para isso. Prometeu também que da descendência desse filho nasceria o Messias para pagar os pecados do mundo. Talvez, depois de sacrificado, Deus vai trazê-lo de volta à vida?
ISAQUE: Mesmo depois do meu corpo queimado?
ABRAÃO: Isaque, se você ainda não aprendeu uma coisa com seu velho Pai, aprenda agora: O Senhor cumpre a sua palavra. E eu estou firme nessa fé!
ISAQUE: (suspira)Sim pai!
ABRAÃO: Você está com medo?
ISAQUE: Claro que estou com medo. Estou prestes a morrer. Mas o Sr. é meu pai. Eu aprendi a confiar no Sr. e no seu Deus. (Isaque, vagarosamente, vai pegando a lenha e colocando uma a uma no altar e senta-se sobre o mesmo e depois deita) Então diz: Pai eu estou pronto...
ABRAÃO: (Virando as costas) Adeus, meu filho!
ISAQUE: Pai olha pra mim! Adeus!... Eu te amo pai!(E as lágrimas correm dos olhos dos dois)
ABRAÃO: (Levantando os braços) Senhor, recebei este sacrifício, Isaque, o meu filho querido. (Pega o cutelo e ergue vagarosamente)
O ANJO: (Aparece o perfil de um anjo, depois escurece tudo e se ouve a sua voz): Abraão, Abraão!!!
ABRAÃO: Eis-me aqui Senhor fazendo a tua vontade!...






O ANJO: Não imoles Isaque. Agora sei que temes a Deus, pois não lhe negaste o teu único filho. (nesse momento se ouve o berro de um carneio).
ISAQUE: (Isaque senta no altar e grita): Pai! Pai, tem um carneiro berrando ali, eu escutei!
ABRAÃO: Olhando pra fora do palco diz: Estou vendo um carneiro preso num espinheiro. (Então ele tira o Isaque do altar e busca o carneiro).
ISAQUE: Javé, o Deus do meu pai, providenciou o carneiro,
assim como ele prometeu. (Abraão sacrifica o carneiro e o coloca sobre o altar).
ABRAÃO: (ajoelhado) Glorificado seja o Deus, Javé! Ele preservou o meu filho, Isaque, mas o seu filho, Jesus, será sacrificado num monte por toda a humanidade. (Neste momento Isaque que está olhando para o carneirinho sendo queimado começa a chorar e passa mal). Enquanto será projetada a cena da crucificação de Jesus com a legenda “1300 anos depois de Isaque”. A música sobe e Abraão coloca Isaque nos ombros e começa a deixar o monte Moreá e as luzes vão sendo acesas).

Valdomiro Pires de Oliveira
PEÇA - LOUVOR X DROGA 22 de janeiro de 0004

PEÇA - LOUVOR X DROGA

LOUVOR X DROGA

Autor: Rev. Valdomiro Pires de Oliveira

PERSONAGENS:
Mãe – Mãe de oração
Vinícius – Filho companheiro
Rodrigo – Filho rebelde
Victor – Filho adolescente
Luana – Filha de oração
Gabriela – Filha caçula OUTROS:
- Traficante – Inquebrantável
- Pastora – Eficaz
- Funcionário da casa – Dedicado
- PMs – Maldosos

ORIENTAÇÃO – O uso de cortina, blackout ou troca de cenário diante do público fica ao gosto da pessoa que vai dirigir o trabalho.

CENÁRIO INICIAL: Uma casa modesta, tendo uma sala com um sofá, uma mesinha de centro, uma TV e algumas cadeiras (os móveis devem ser velhos). No mesmo ambiente estão alguns colchonetes onde a maioria da família dorme.

CENA 1
Victor, Luana e Gabriela estão deitados, dormindo. A mãe entra na sala sozinha, se ajoelha, depois se levanta, enxuga as lágrimas e começa a falar sozinha.

MÃE – Eu tenho certeza de que Deus não vai permitir que o Vinícius encontre o Rodrigo. Ele não vai estar em nenhum lugar que o Vinícius conhece.

Vinícius entra enfurecido, e até assusta a mãe.

MÃE –

VINÍCIUS –




MÃE –






GABRIELA –

MÃE –

VINÍCIUS –

GABRIELA – Calma, Vinícius! Vai acordar as crianças!

Mãe, a senhora concorda comigo? O Rodrigo passou do ponto. Pegou sem falar nada o meu salário e gastou com droga! E agora? Era o nosso único dinheiro para o Natal. Juro que se eu tivesse encontrado aquele moleque, iria esganá-lo!

Vinícius, você sempre foi o meu companheiro desde o dia em que seu pai saiu de casa. Eu preciso da sua ajuda, agora. O Natal Deus vai resolver e teremos o nosso almoço. Sabe, o Rodrigo está precisando de ajuda. Vamos buscar essa ajuda na igreja e junto aos amigos. (pegando o rosto de Vinícius.) Olha pra mim, filho! Por favor, não pense em agressão, não me deixe sozinha agora.

(acorda e vai até a mãe) Mãe! Mãe, acordada até agora?

Eu estava orando, quando o Vinícius chegou e ficamos conversando.

(pensativo) Eu vou pensar, mãe. Já é tarde. Vamos descansar.

Mãe, da próxima vez me deixa orar com você. O Rodrigo está precisando de muita oração.

A luz se apaga, como se todos estivessem ido dormir.

CENA 2
Todos estão em cena como se tivesse amanhecido o dia. A mãe, ao sair para trabalhar, se despede dos filhos.

MÃE – Bem, estou indo fazer um serviço. O Vinícius também. Victor, busca o pão para o café das meninas?!

A Mãe, Vinícius e Victor saem. Após um breve momento em que as filhas estão sozinhas em casa, Rodrigo entra, chegando da rua, e se senta.

RODRIGO –

LUANA –


VICTOR –


LUANA –

GABRIELA –


VICTOR –


RODRIGO – Oi! E aí! Já tem café?

Onde você estava? O Vinícius saiu pra te procurar à noite, mas não te achou? Nós também fomos dormir preocupados.

(Voltando correndo da rua) Consegui! Consegui! Ao menos panetone vamos ter nesse Natal.

Cadê o pão que você foi buscar? Estamos aqui morrendo de fome!

(abrindo o panetone) Como você conseguiu esse panetone tão grande?

Ah, os seguranças do mercado deram bobeira, peguei e saí de fininho! Não foi legal?!

Garoto espertinho!

Todos se servem do panetone. A Mãe entra enquanto ainda estão comendo. Ela olha desconfiada.

MÃE –

RODRIGO –

MÃE –





GABRIELA –


LUANA –


MÃE –



GABRIELA – O que é isso? Onde vocês conseguiram panetone?

Foi o Victor, mãe, que pegou no supermercado. Menino esperto!

(por um momento fica feliz por ver Rodrigo em casa, mas logo volta a falar) Pelo jeito ele não pegou, roubou! E isso não se faz. Hoje mesmo vamos juntos nos desculpar com o gerente e o primeiro dinheiro que entrar nessa casa será para pagar o panetone. Olha para Victor, nervosa e diz: Agora, se fizer isso de novo, vai levar surra!

Não, mãe, isso não! Se ele não tivesse feito isso será que nós iríamos comer panetone esse ano?

Mãe, acho que não teremos o que comer amanhã, porque acabou tudo em casa.

Filhos, mesmo passando por dificuldades, não vamos perder a nossa dignidade. Nós oramos e Deus vai responder. Ainda não é nem meio-dia. E para o almoço ainda temos algumas sobras de ontem.

Já é hora do almoço, e só comemos o panetone!

Vinícius chega da rua, mas não repara que Rodrigo está em casa, e fala com a mãe.

VINÍCIUS – Mãe, e o pai, hein? Cadê ele? Ao menos telefonou? Não aparece, não ajuda em nada... nem no Natal... (vê Rodrigo e avança) Ah, se eu tivesse te achado ontem teria te esganado, seu moleque! Eu quero o meu dinheiro! Você vai virar dinheiro, cara...

Todos tentam impedir Vinícius de agredir o Rodrigo, que se levanta e encara o irmão. E então todos estão no meio da briga.

MÃE –


VINÍCIUS – (segurando Vinícius) Vinícius! Não é assim que vamos resolver o problema. Não é vocês brigando que vai aparecer comida nesta casa.

Eu também acho! Leva logo esse moleque para a Igreja. Ele está precisando de oração... Olha! Esse aí, só virando pastor!

A poeira baixa. De repente uma vizinha avisa que uma pessoa está na frente da casa para ver a família.

VIZINHA –

MÃE – Oi! Bom dia! Tem um homem ali no portão querendo falar com vocês!

Luana, vai ver quem é.

Então Luana volta com a pessoa, que traz consigo uma cesta de Natal e alguns panetones. Era um amigo que não viam há muito tempo. Inicialmente surpresos, a família se alegra e recebe o visitante. A Mãe começa a chorar, e todos estão animados e agradecidos com a visita e seus presentes.

VINÍCIUS – (dirigindo-se à mãe) Mãe, me desculpe! Eu nem orei mais, já estava perdendo a fé.

Todos estão se servindo da cesta.

CENA 3
Tarde da noite. Todos estão dormindo, exceto a mãe, que aguarda Rodrigo chegar. Alguém bate à porta. A Mãe vai atender. É um homem armado que pergunta por Rodrigo. A Mãe se assusta.

TRAFICANTE –

MÃE –

TRAFICANTE –

MÃE –

TRAFICANTE –



MÃE –




TRAFICANTE –





MÃE – A senhora que é a mãe do Rodrigo?

Sim, mas... ele ainda não chegou. Eu estava acordada por isso...

(entrando) Eu vim para uma conversa!

Mas do que se trata?

O seu filho tá me devendo uma grana alta e não paga! (ameaçando) Se ele não me pagar, a senhora vai ver seu filho com as duas pernas quebradas!

O senhor não vai fazer isso! Deus não vai permitir. Eu estou passando por muitas dificuldades para criar meus cinco filhos, mas não vou ver isso acontecer. Eu tenho certeza que Deus vai proteger o meu filho! Eu vou providenciar o dinheiro. O senhor espera?!

Meu assunto é dinheiro. Não tenho nada a ver com as suas dificuldades, nem com a sua fé. Esse menino não tem pai? (dirigindo-se à porta) Tô indo embora, que a polícia tá por aí, mas amanhã eu volto aqui no mesmo horário pra pegar o dinheiro. E não vou ter tempo para ouvir lamentações! (sai, apressado)

Deus te abençoe! (pensando alto) Meu Deus! O Rodrigo corre perigo. A polícia já está atrás dele, e agora esse traficante também. Não sei de onde, mas de algum lugar vai aparecer o dinheiro ou outra solução.

A Mãe se ajoelha para orar. Fim da cena.

CENA 4
Dois pontos de luz na cena. Em um deles, Rodrigo está com dois soldados e um sargento da PM. Os soldados o espancam, enquanto o sargento só assiste. No outro foco, a mãe está ajoelhada sobre uma cadeira com uma Bíblia em cima, em atitude de oração. Rodrigo cai no chão, e continua levando golpes.

RODRIGO –

SOLDADO 1 –


RODRIGO –

SOLDADO 2 –

RODRIGO – Pára! Pára! Eu não sei de mais nada!

Fala vagabundo! Era você que tava no assalto da pizzaria! Era ou não era você?

Não! Não! Eu tava só no da padaria!

E cadê o dinheiro da padaria?

Não sei! Não ficou comigo, não!

Breve silêncio.

MÃE –



SOLDADO 1 –

SOLDADO 2 –

SARGENTO –


SOLDADO 1 –

SOLDADO 2 –

SOLDADO 1 – Meu Deus, eu não sei onde está o meu filho. Por isso cuida dele, Pai. Não permita que lhe aconteça mal algum. Preserva, Pai, a vida do Rodrigo...

Vamos matar esse vagabundo! (sacando a arma e apontando)

Mata! Mata logo!

Pára! Pára! Não façam nada! Tem gente nos vendo da janela! Tem testemunha!

Não to vendo janela nenhuma por aqui.

É o sargento que tá falando! Vamos sair fora... vamos!

(dá um último chute no Rodrigo) Dessa vez você escapou, mas da próxima não vai ter ninguém na janela, vagabundo!

Breve silêncio. Sai o foco de luz na cena do espancamento.

MÃE –


VINÍCIUS –


MÃE –


VINÍCIUS –


MÃE –

VINÍCIUS –



MÃE – Obrigado, Pai, pelo seu cuidado com o meu filho, em nome de Jesus, amém!

(acorda e se surpreende com a luz acesa) Ué, mãe, você ainda está aí plantada esperando o Rodrigo?

Ainda bem que ele não chegou, porque o traficante veio procurá-lo e ameaçou quebrar as duas pernas dele.

Cadê... cadê esse homem? (se senta, amargurado) Mãe, mais problemas com o Rodrigo?! A gente não agüenta mais!

Ele já foi embora, mas garantiu que volta buscar o dnheiro

Vamos descansar, mãe. Já é a terceira noite que você fica assim. E não adianta, porque já procuramos o Rodrigo por todo canto. Até a polícia está ajudando a procurá-lo. Só não sei bem pra quê?!

Ai, meu Deus... estou com medo de chegar alguma notícia ruim do Rodrigo...

Barulho no portão. Vinícius e a Mãe se assustam ao ver Rodrigo entrando todo machucado devido à surra que levou da polícia. Ele se deita no chão, amparado pela mãe.

MÃE –

VINÍCIUS –

RODRIGO –



MÃE –

RODRIGO –


VINÍCIUS – Quem fez isso com você, filho?

Foi o traficante? Foi aquele...

(com dificuldade) Foi a polícia! Eles iam me apagar, mas apareceu uma pessoa na janela na casa do lado do terreno baldio. Eles ficaram com medo da pessoa denunciar a viatura e foram embora.

Vamos te levar para o pronto-socorro!

Não, mãe! Isso não! A polícia vai me pegar de novo. É perigoso. Você mesma faz os curativos. Quero água...!

Vamos levar ele para o quarto, fazer os curativos, e pra ele descansar um pouco.

CENA 5
Algum tempo depois, já na luz do dia, todos estão reunidos na sala para decidir o destino de Rodrigo que, após alguns instantes, se levanta do colchão e entra na conversa.

LUANA / GABRIELA – Rodrigo! Você já está melhor? Está se sentindo bem?

RODRIGO –


VINÍCIUS –


MÃE –



RODRIGO –

MÃE –

LUANA –

MÃE –


LUANA –

MÃE – Já estou melhor, sim. Restam as dores no pouco, a mágoa, mas estou bem!

O traficante está vindo aqui para cobrar a mãe e ameaçava quebrar as suas pernas. Você precisa de tratamento! Precisa sair daqui!

Arrumamos uma casa pra você. É simples, mas que não precisa pagar nada. Você vai pra lá? A recuperação é feita com muita leitura bíblica e oração.

Sim, mãe, eu vou... Não quero mais essa vida.

Então vamos pegar as suas coisas.

(entregando a Bíblia a Rodrigo) Você pode levar a minha Bíblia.

Vamos fazer uma oração para você sair. A sua mala já está pronta e um irmão da Igreja já está esperando com um carro na porta.

Mãe, eu quero fazer a oração.

Então faça.

Todos dão as mãos formando um semi-círculo em volta da mala, que está com a Bíblia em cima.

LUANA –


GABRIELA –

MÃE –

TODOS – Deus, cuida do Rodrigo. Seja o pai dele. Não deixa o traficante nem a polícia descobrir onde ele está...

Dá uma nova vida pra ele, porque ele precisa...

Amém!

Amém!

Todos se abraçam despedindo-se de Rodrigo. Os irmãos se comovem, e uns choram. A Mãe vai junto com Rodrigo em direção à porta.

MÃE – Filhos, fiquem aqui. Eu vou até lá com o Rodrigo e volto logo.

Vinícius - Quero só ver se esse safado quer mesmo mudar de vida. Duvido...
Gabriela - Não fale assim. Nem parece que Você estava orando...
CENA 6
Casa de Recuperação. Rodrigo e sua Mãe estão sentados aguardando atendimento.

RODRIGO –


MÃE –


PASTORA –


MÃE –




PASTORA –


RODRIGO –


PASTORA –




MÃE – (estranhando o lugar) Mãe, que lugar esquisito... Essa casa parece mais um cortiço... e ainda pior que o nosso!

Rodrigo, Deus marcava encontro com os profetas no deserto, nas cavernas, nos lugares mais esquisitos.

(entra na sala) Boa tarde! É, pelo que estou percebendo, foi Deus quem trouxe você até aqui, mas por quê?

Estamos aqui porque o Rodrigo está com problemas e vocês podem me ajudar. Ele está envolvido com drogas, com traficantes, está ameaçado de morte até pela polícia... (emocionada). Meu filho precisa ser salvo!

Irmã, quem salva é Deus! Agora sua tarefa é entregar seu filho a Ele. Crer e descansar. A fé em Deus tira a ansiedade.

Como é o tratamento aqui? Não sou muito dessa coisa de Deus, Bíblia, nem de ficar preso em lugar nenhum! Eu sou quenem passarinho, gosto mesmo é de voar.

Ninguém é obrigado a ficar aqui. A porta de saída é aquela. Mas Deus está em todo lugar, dele nem os passarinhos escapam. E a Bíblia é o estatuto desta casa. (dirigindo-se à Mãe) Irmã, você já pode ir. Mais tarde vou conversar melhor com o Rodrigo.

Pastora, eu já fiz tudo pelo Rodrigo e pouco adiantou. Por isso não sei nem o que pedir. Que Deus possa abençoá-la!

A Mãe dá um abraço na pastora e, em seguida, em Rodrigo, e sai.

CENA 7
Rodrigo está pensativo na Casa de Recuperação, quando a Pastora entra com um gravador e um CD.

PASTORA –


RODRIGO –


PASTORA –


RODRIGO –

PASTORA –


RODRIGO –

PASTORA –


RODRIGO –


PASTORA –



RODRIGO –

PASTORA –

RODRIGO –

PASTORA – Rodrigo, gostou do culto? Eu vi você tentando cantar algumas músicas, mas ainda muito desligado.

Não me liguei em alguns ritmos, mas algumas palavras mexeram comigo.

Hoje a casa está meio vazia, por isso você vai ficar sozinho no último
quarto. Enquanto não vier o sono você vai ouvir essas fitas.

Esse aparelho é só toca-cd?

Sim! Por enquanto você não poderá ouvir rádio nem ver televisão. Você já ouviu falar em louvor-terapia?

Não!

É a cura de Deus por meio da música que fala de Deus. E cura mágoa, ódio, revolta e outros males da alma.

Posso dizer que não estou afim disso. Porque eu gosto mesmo é de funk, rap, rock pesado e mulher bonita! (dá uma “secada” na pastora).

Não estamos aqui para fazer os seus gostos, mas os gostos de Deus. Remédio bom é o que cura. Agora vamos fazer uma oração antes de você ir para o seu quarto.

(brincando) Oração... se não fizer bem, mal não faz, né, Pastora?!

Rodrigo, ajoelha e repete comigo essa oração...

(irônico) Tudo isso! Orar ajoelhado?!

Sim, pode ajoelhar e repetir comigo. (a Pastora diz a oração e Rodrigo repete) Senhor, meu Deus, hoje estou nesta casa porque preciso do teu perdão. Estou espiritualmente doente precisando de cura, de salvação. Agora, quero declarar Jesus Cristo Senhor da minha vida e pedir a tua presença no meu coração esta noite. Eu quero mudar de vida. Em nome de Jesus, amém!

CENA 8
Rodrigo está na cama, mas está inquieto e não consegue dormir. Resolve ligar o toca-cds e pega a Bíblia que está na mala. Após alguns segundos folheando a Bíblia, desliga o toca-cds e se senta na cama.

RODRIGO – Não! Eu não posso ouvir essa música. Parece que está me lavando por dentro... e eu quero continuar odiando aquele traficante que ameaçou a minha mãe... quem sabe, depois de eu encher a boca daquele maldito de balas, ouvirei essas músicas.

Volta a deitar, porém ainda não consegue dormir. Um momento depois, liga novamente o toca-cds. Ouve por um tempo e depois começa a dormir.

CENA 9
Dia seguinte, de manhã. A Pastora chega na casa de recuperação e conversa com o funcionário que passou a noite ali.

PASTORA –

ANTÔNIO –




PASTORA –

RODRIGO –

PASTORA –


RODRIGO –




PASTORA –


RODRIGO –


PASTORA –



RODRIGO –



MÃE –


RODRIGO –

MÃE –

RODRIGO –


MÃE –


RODRIGO – Bom dia, Irmão Antônio! Como foi a noite? E o Rodrigo, dormiu bem?

Foi bom a Senhora chegar cedo. O Rodrigo quase não dormiu. Falou sozinho, ouviu música, mas acordou há pouco chorando muito. Tentei conversar, mas ele disse que quer falar com a Senhora. Acho que ele quer ir embora, mas preferiu não fugir.

Vai chamá-lo para mim...

(entra cara de choro) Bom dia.

A paz! Como foi a noite? ... (olha próximo o rosto de Rodrigo) Está chorando por quê?

Nem sei... acordei chorando. Esqueci aquele toca-cds ligado e não sei explicar o que me aconteceu, mas acordei diferente, com vontade de chorar, mas não é de tristeza... Eu, eu estou alegre...


Dá aqui essa Bíblia. Vamos ler uma passagem que tem a ver esse momento.

Quer dizer que essa alegria diferente está na Bíblia? Acho que fui salvo por Jesus esta noite. Fui salvo, pastora?

Sim, eu creio nisso. Mas você ainda tem muito o que aprender nessa Palavra (segurando a Bíblia). E ainda terá muitas ciladas do inimigo pra vencer.

(correndo para o telefone) Pastora, posso ligar para a minha mãe? Ela precisa saber disso. (disca o número no telefone, enquanto a pastora e o funcionário observam felizes) Alô, mãe!

(voz da mãe fora de cena, simulando uma ligação telefônica) Alô! Oi, filho! O que está acontecendo?

Mãe, tive um encontro com Jesus esta noite...

Filho, é verdade?!

(comovido) Sim, estou até chorando, mas de alegria. Agora vou ficar nesta casa.

Que bom, filho! Mas será que você vai ficar bem? Aí o traficante ou a polícia podem te achar...

Não! O traficante e a polícia nem vão me procurar mais. Deus vai fazê-los me esquecer. Vem pra cá com as crianças. Vamos fazer uma festa.
MÃE - Estamos indo, filho. Deus te abençoe!
( A luz vai se apagando até ficar totalmente escuro.)


CENA 10
Entra uma música suavemente. A luz se acende devagar, então vemos Rodrigo rodeado pela família, amigos, os internos da casa e a pastora. Por alguns instantes, a cena é de festa. De repente a cena é congelada, apenas a Pastora e Rodrigo se movimentam e se dirigem ao centro do palco. A Pastora veste Rodrigo com um guarda-pó branco e volta para dentro da festa. Rodrigo vai para o canto do palco, sob um foco de luz. Sua Mãe sai da festa e volta com um jovem amigo do Rodrigo precisa ser recuperado na casa. Rodrigo o acolhe e a Mãe vai embora.
- Rodrigo volta ao centro do palco e abre os braços. Acendem-se as luzes, a música sobe e todos voltam a festejar.


FIM
Valdomiro Pires de Oliveira
Rua Itaituba, 80, ap. 62
04252-010 – São Paulo, SP
Contato: 2832-0288 / 8817-2395
PEÇA - ABRAÃO, O PAI DA FÉ 22 de outubro de 2014

PEÇA - ABRAÃO, O PAI DA FÉ

ABRAÃO, O PAI DA FÉ

ATO - 1
1- Abraão sozinho no palco ouve a voz de Deus. (Música)
- Deus: Abraão! Abraão!
- Abraão: Senhor! Senhor! Fala Senhor! Estou ouvindo!
- Deus: Sai da tua terra, da tua parentela e da casa do teu pai e vai para uma terra que te mostrarei. De ti farei uma grande nação; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.
- Abraão: Senhor, eu deixar meus pais, meus parentes os amigos e minha terra?... Sabe Senhor, eu creio na tua palavra e por isso estou pensando em partir.
(vai falando e saindo do palco - música)

ATO - 2
2- Abraão orando, quando aparece um anjo ele se assusta.
- Anjo: Não temas Abraão! O Senhor é o teu escudo e a tua recompensa será grande.
- Abraão: Como se continuo sem herdeiro? Se o Senhor me deu uma mulher estéril?
- Anjo: Sai da sombra Abraão e conta as estrela do céu se é que podes. Como as estrelas do céu e as areias do mar, será a tua descendência. (projeção de um céu estrelado)
- Abraão: (caindo de joelhos aos pés do anjo) Eu creio Senhor, apesar da minha idade e da esterilidade da minha mulher. (Música)

ATO - 3
3- Cena muda, na penumbra, com Abraão e Sara com Isaque.
- (Música bem forte).
ATO - 4
4- Abraão sozinho ao lado de um feixe de lenha.
- Deus: Abraão! Abraão!
- Abraão: Senhor, eis me aqui.
- Deus: Toma o teu filho Isaque, a quem amas, e oferece como holocausto, sobre um monte que te mostrarei.
- Abraão: Mas Senhor ele é o meu único filho. Por que me pedes tanto? O Senhor está querendo que eu me rebele, perca fé? (música)
ATO - 5
5- Abraão caminhando com Isaque e o servo com o feixe de lenha.
- Abraão: (Para o servo) Fica aqui. Eu e o menino vamos
adorar a Deus no alto do monte. Logo voltaremos.
- Servo: Sim meu senhor. Aguardarei até que voltem.
- Abraão coloca sobre os ombros o feixe de lenha enquanto o
Menino carrega o fogo e o cutelo.
- Isaque: Meu pai...
- Abraão: Sim, meu filho...
- Isaque: Temos o fogo, a lenha e o cutelo. Onde está o
cordeiro para o sacrifício?
- Abraão: O Senhor proverá.

ATO - 6
6- Abraão no monte com Isaque preparando o altar. Os dois mudos. Depois Abraão começa a amarrar Isaque paro o sacrifício.
- Isaque: Assustado pergunta: Meu pai, sou eu o sacrifico? Sou eu?
- Abraão: Sim, estou fazendo conforme a palavra de Javé o nosso Deus.
- Isaque: Meu pai será que é isso mesmo que Javé está pedindo?
- Abraão: Sim meu filho! Javé sabe o que faz.
- Anjo: ( Quando abraão ergue o cutelo para executar Isaque) O anjo grita: Abraão! Abraão, não faça isso. Agora sei que realmente amas ao Senhor, porque não me negaste o teu único filho. Eis o cordeiro para o sacrifício.
- Abraão: Depois de desamarrar Isaque e lhe dar um abraço e um beijo diz: Louvado seja o meu Deus Javé!... De hoje em diante este lugar vai se chamar “O Senhor proverá”.
- Abraão: Coloca Isaque nos ombros é vai saindo...
- Música bem forte e um céu cheio de estrela projetado no telão.

Recriação: Rev. Valdomiro Pires de Oliveira
JOGRAL- PARA O DIA DOS PAIS 01 de novembro de 2014

JOGRAL- PARA O DIA DOS PAIS



JOGRAL PARA O DIA DOS PAIS

T- Pai, hoje temos uma mensagem para o seu coração,
1- extraída da Palavra de Deus,
2- E começamos dizendo assim:
3- Ensine, aos seus filhos, os princípios do evangelho,
T- Dando exemplo de fidelidade a Deus.
4- Tratando-os como amigos:
1- Ensine, quando estiverem sentados em casa,
2- quando estiverem andando pelo caminho,
3- Quando estiverem falando ao telefone,
T- Ensine, quando se deitarem e quando se levantarem.
1- Pai, coloque objetivos na vida para os seus filhos,
2- Enquanto são bem pequenos,
3- E mesmo depois de muitos anos
1,3 - Não se desviarão deles.
T- Pai, crie os seus filhos com disciplina,
4- nos conselhos do Senhor.
1- Sabendo que na vida sempre terão sim e terão não.
2- Assim, quando adultos, eles serão vencedores,
T- E trarão grande prazer à sua alma.
3- Sabemos que existe o filho ignorante,
2- que não aceita repreensão,
1- Não aceita regras,
4-E muitas vezes se torna rebelde,
2- Desobediente,
3- Respondão,






1- Faz tudo da própria cabeça,
T- Até cair em desgraça.
2- Esse precisa de um cuidado especial.
3- Mas existe também o filho sábio,
4- que ouve as instruções do pai,
1- Para ter entendimento,
2- Para acertar na vida,
T- Para ser feliz...
4-E para dizer: Pai, eu te amo!
3- Feliz dia dos pais!
T- Que Deus o abençoe:
1- com saúde,
2- com paz,
T- e muita alegria por ser pai!